Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

aurelius

aurelius

Os ensinamentos da Família de Nazaré

aureliano, 27.12.19

Sagrada Família - A - 29 de dezembro.jpg

Sagrada Família de Nazaré [29 de dezembro de 2019]

[Mt 2, 13-15.19-23]

É muito comum ainda, ouvirmos nos rotineiros cumprimentos, essa pergunta: “E a família, vai bem?” A resposta normalmente é positiva: “Sim. Está tudo bem, com saúde, graças a Deus”. Mesmo que a situação não esteja lá essas coisas, não faz parte do protocolo contar os problemas e dificuldades que ocorrem entre “quatro paredes” para todo aquele que pergunta. Até porque essa pergunta já supõe uma resposta afirmativa. Ou mesmo, alguns fazem essa pergunta para “puxar” assunto.

Mas todos sabemos da profundidade e mesmo da complexidade que envolve falar sobre família. Hoje sabe-se que família não se resume àquela constituição familiar de 40 ou 50 anos atrás: papai, mamãe, filhinhos. Todos ali, bonitinhos, arranjadinhos, obedientes... Uma estrutura patriarcal em que o varão determinava, por vezes só com o olhar, o que ele queria ou o que deveria ser feito. E mesmo que a família não tivesse esse tipo de comportamento em seu interior, havia uma harmonia interna que não era ameaçada nem influenciada por fatores externos. Havia mesmo uma prevalência “religiosa” sobre os comportamentos de pais e filhos.

Hoje o mundo mudou muito. A sociedade dita as normas econômicas, sociais, relacionais, educacionais, religiosas. Há uma espécie de ditadura de interesses econômicos que impõem aos grupos e pessoas o que eles devem fazer, o que comprar, o que usar, o que comer, como conviver, até mesmo que religião seguir ou como orar etc. E se a gente ousa entrar nos comportamentos afetivo-sexuais vigentes então, a discussão não tem fim.  Isso incide diretamente nas famílias, núcleo constituinte da sociedade, essa mesma que impõe seus ‘valores’. Isso tudo sem falar nas constituições e organizações familiares que andam em torno de pelo menos nove modalidades, segundo alguns estudiosos desse assunto. Há autores que já falam de doze!

----------xxxxx----------

No evangelho de hoje Mateus nos mostra um pouquinho das agruras da Família de Nazaré. São os chamados Relatos da Infância de Jesus. Enquanto Lucas descreve Jesus e suas relações em Nazaré e cidades vizinhas, Mateus faz outro percurso: a fuga para o Egito e a volta a Nazaré. Escreve para outro público.

O evangelho de Mateus foi escrito para os cristãos provenientes do judaísmo. Por isso ele relata os acontecimentos e palavras de Jesus relacionando-os com o cumprimento das Sagradas Escrituras. Pretende mostrar para a comunidade que Jesus é realmente aquele que o Senhor prometera enviar como Salvador. Ele é o cumprimento das Escrituras. Por isso, o cerne do relato de hoje, no pensamento de Mateus, é o cumprimento da palavra de Os 1,11: “Do Egito chamei o meu filho”. A perseguição de Herodes e a fuga da Sagrada Família para o Egito colocam Jesus em relação com o Povo de Deus libertado do poder do Faraó. Jesus fugiu da perseguição de Herodes; Israel escapou das mãos do Faraó. Jesus foi salvo pelos seus pais; Moisés foi criado pela sua própria mãe (cf. Êx 2,7-9). Jesus atravessou o deserto fugindo da espada de Herodes; o povo de Israel atravessou o deserto rumo à Terra Prometida. Para Mateus, Jesus é o novo Moisés que veio ensinar e libertar o seu povo.

Essa narrativa mostra Jesus entrando e assumindo plenamente o drama da história humana: a perseguição e a fuga, a disputa pelo poder, a fome e o frio, a vida de refugiado, a luta pela sobrevivência, as contradições humanas. Ele veio resgatar essa história, dar-lhe um rumo novo, mostrar um jeito novo de se viver e se relacionar.

O relato evangélico mostra também as atitudes de José e Maria. Os cuidados e as responsabilidades familiares. Não deixam o menino abandonado à própria sorte. Expõem suas vidas por ele. Inteiramente dedicados.

Não pode passar despercebida também a maldade de Herodes: não se constrange em tirar a vida brutalmente de todas as crianças da região de Belém desde que não haja ninguém que ameace seu trono (cf. Mt 2,16). Herodes representa aqui o poder político e econômico que quer se manter a todo custo. As pessoas podem ser assassinadas, podem morrer de fome, podem morrer envenenadas pelos agrotóxicos, podem morrer nas filas dos postos de saúde e hospitais, podem morrer vítimas da violência, pelo tráfico e uso de drogas, por balas perdidas, podem morrer analfabetas e sem a merenda escolar. Tudo isso não importa. O que importa é o crescimento econômico. O jogo do mercado precisa dar certo. Quem é rico não pode perder nem deixar de ganhar mais. Os pobres podem morrer. Morra o ser humano, mas viva o mercado e acumule-se dinheiro. A pessoa só vale pelo que tem. Essa é a lógica dos “Herodes”.

E a situação dos migrantes? Jesus e sua família foram migrantes. Perseguidos, tiveram que buscar refúgio em terra estrangeira. Como os migrantes têm sido tratados entre nós? Que políticas públicas e que preocupações sociais têm sido desenvolvidas para acolher aqueles que chegam ao nosso País, à nossa cidade, ao nosso bairro, à nossa comunidade? É Jesus que está aí, fugindo de “Herodes” e tentando sobreviver.

O evangelho e a festa de hoje nos ajudam a olhar mais de perto nossa vida cristã e familiar. Que sentido cristão tem tido nossa vida de família? Como tenho cuidado dos membros de minha família?  Sou capaz de me sacrificar, de me doar, de me empenhar para ver a pessoa feliz, bem cuidada, amparada?  E como lido com os “de fora”, os migrantes? Eu, ou alguém de minha família, certamente vive experiência de migrante: tentando a vida fora, em outro lugar.

---------xxxxx----------

Podemos concluir que para a família caminhar bem (note-se que caminhar aqui remete às idas e vindas da Sagrada Família nas estradas da Judéia e da Galiléia) precisa alimentar-se de uma profunda experiência de Deus, de intimidade com o Pai, de busca da Sua vontade. Então poder-se-á tratar de qualquer modelo de organização familiar. O que importa, acima de tudo, é se essa família está buscando fazer a vontade do Pai manifestada na vida de Jesus de Nazaré; se está colocando em sua vida o Pai e seu projeto de vida como prioridade, como absoluto. Então muita coisa na sociedade também poderá melhorar. É um processo lento, de conversão cotidiana, de esperar contra toda esperança. É uma questão de fé. "Nós mudamos, a Igreja muda, a história muda, quando começamos a querer mudar — não os outros, mas a nós mesmos, fazendo da nossa vida um dom" (Papa Francisco, na missa de Natal de 2019).

--------xxxxx--------

"A família é a primeira escola dos valores humanos, na qual se aprende o bom uso da liberdade. Há inclinações maturadas na infância, que impregnam o íntimo de uma pessoa e permanecem toda a vida como uma inclinação favorável a um valor ou como uma rejeição espontânea de certos comportamentos. Muitas pessoas atuam a vida inteira de uma determinada forma, porque consideram válida tal forma de agir, que assimilaram desde a infância, como que por osmose: "Fui ensinado assim"; "isto é o que me inculcaram". No âmbito familiar, pode-se aprender também a discernir, criticamente, as mensagens dos vários meios de comunicação. Muitas vezes, infelizmente, alguns programas televisivos ou algumas formas de publicidade incidem negativamente e enfraquecem valores recebidos na vida familiar" (Amoris Laetitia, 274).

Pe. Aureliano de Moura Lima, SDN

1 comentário

Comentar post