Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

aurelius

aurelius

As obras que realizamos mostram nossa identidade

aureliano, 10.12.22

3º Domingo do advento - C.jpg

3º Domingo do Advento [11 de dezembro de 2022]

[Mt 11,2-11]

Esse terceiro Domingo do Advento é cognominado pela tradição litúrgica como Dominica Gaudete (Domingo da Alegria). A proximidade da vinda do Senhor deve encher de santa alegria o coração do cristão. E só experimentará a alegria que brota do coração do Pai o cristão que busca assumir em sua vida o jeito de ser de Jesus de Nazaré. “Ide dizer a João o que ouvistes e vistes”. A plena vida e dignidade devolvida aos pobres e sofredores era a grande manifestação do Reino de Deus.

A ação evangelizadora de Jesus que curava os cegos, os coxos, os surdos no anúncio da Boa Nova aos pobres, revelava quem era Jesus. As obras e palavras revelam quem é uma pessoa. A celebração da ação litúrgica revela a vida de uma comunidade. As expressões, os gestos, as palavras, a homilia, o canto (conteúdo da letra), a acolhida etc são reveladores do lugar que a assembleia celebrante ocupa na vida da comunidade. Se há comprometimento ou não com a vida do povo, particularmente dos mais pobres. As realidades vividas no cotidiano devem estar presentes na celebração, bem como a celebração deve iluminar e inspirar as atividades cotidianas. Uma circularidade humano-divina.

Aliás, a propósito de um culto desligado da vida, o Papa Francisco alerta contra o “cuidado exibicionista da liturgia, da doutrina e do prestígio da Igreja, mas não se preocupam que o Evangelho adquira uma real inserção no povo fiel de Deus e nas necessidades concretas da história” (EG, 95). E emenda o Pontífice: “É uma tremenda corrupção, com aparências de bem. (...) Deus nos livre de uma Igreja mundana sob vestes espirituais ou pastorais!” (EG, 97).

A “cura” traz alegria para a pessoa e a família. Jesus curava os sofredores, alivia-lhes o sofrimento. Hoje, se queremos trazer alegria à vida das pessoas precisamos “curar suas feridas”. Papa Francisco tem alertado para essa atitude: “Vejo com clareza que o que a Igreja necessita hoje é a capacidade de curar feridas e dar calor, intimidade e proximidade aos corações... Isto é o primeiro: curar feridas, curar feridas”. Fala ainda de “tratarmos das pessoas, acompanhando-as como o bom samaritano que lava, limpa e consola; caminhar com as pessoas na noite, saber dialogar e inclusive descer à sua noite e obscuridade sem se perder”.

Segundo o evangelho deste domingo, a atuação de Jesus está orientada para curar e libertar, não para julgar e condenar. Os discípulos de João devem comunicar-lhe o que vêem: Jesus vive voltado para os que sofrem para libertá-los do sofrimento. Depois devem dizer a João o que ouvem: uma mensagem de esperança dirigida àqueles camponeses pobres, vítimas de injustiças sociais.

Também a nós, se alguém nos pergunta se somos seguidores do Messias Jesus, que obras lhes poderemos mostrar? Que mensagem podem escutar de nós? De quem nos aproximamos? Com que interesse? Trabalhamos pelo interesse de quem? “Vão dizer a João o que vocês viram e ouviram”. Eis o desafio!

-----------xxxxx------------

OS SINAIS DO REINO DE DEUS

Quando estamos dirigindo pela cidade, nos deparamos frequentemente com os sinais de trânsito. Para que servem? Para indicar o que devemos fazer: parar, prosseguir, diminuir a velocidade etc. Seria ridículo alguém parar o carro e ficar admirando o sinal verde ou vermelho etc.

Costumamos fazer isso com os milagres de Jesus. Somos levados a pensar que os milagres que Jesus realizou e mandou seus discípulos realizar eram demonstração de um sinal de força e poder. A mídia está cheia de “igrejas” que afirmam “curar”. Seria bom verificarmos com que interesse se propaga isso.

No tempo de Jesus havia grupos que idealizavam o seu messias. Assim, os fariseus, os zelotes, os essênios, os discípulos de João Batista e outros esperavam um messias que os libertasse do jugo romano e fosse fiel cumpridor da Lei e seus ritos. Havia também o grupo dos que não esperavam o messias: os saduceus e os herodianos. Esses últimos identificavam Herodes com o rei messiânico.

Havia um grupo, os “pobres de Javé”, que esperavam um messias que incluísse os pobres, os doentes, os estrangeiros, os pecadores. Jesus encarnou a esperança deste grupo. Ele é o “Servo do Senhor” (Is 42,1).

Contemplando as atitudes de Jesus notamos que as curas que ele realizava eram sinais indicadores de sua missão. O que interessa não é a placa, mas o que ela indica. Por isso Jesus manda dizer a João: “Ide contar a João o que estais ouvindo e vendo”. Abrir os olhos aos cegos, soltar a língua dos mudos, abrir os ouvidos dos surdos, soltar os braços e as pernas dos entrevados, enfim, dar nova vida aos mortos é o núcleo da missão do Messias. Jesus não é um simples curandeiro, mas aquele que veio dar vida nova aos desafortunados da história.

Para João, que havia anunciado a presença de um messias forte, julgador severo, Jesus se comporta como um fraco. À dúvida honesta de João, Jesus responde com atitudes. Não aponta para sua pessoa, mas para suas ações. Enquanto João é severo exigindo arrependimento e mudança de vida, Jesus mostra-se manso, humilde, compadecido dos pobres e pecadores.

A pessoa de João Batista é elogiada por Jesus por causa de sua firmeza profética. “No entanto o menor no Reino dos céus é maior do que ele”. Reino dos céus aqui é a comunidade cristã que tem um caminho muito mais amplo, mais aberto, mais abrangente. Os tempos do Reino transcendem em muito àqueles que o prepararam.

O Reino sofre violência (cf. Mt 11,12). Na busca do Reino de Deus o mais difícil talvez seja desembaraçar-se do reinado do dinheiro, da fama, do sucesso e do poder para assumir a postura de “fraco” que se torna forte pela graça. Para entregar-se como Jesus precisa-se ser “violento”: ter coragem de doar-se generosamente, de sofrer perseguição por causa da justiça, de promover a paz e a concórdia, de perdoar àqueles que nos ofendem, de opor-se com firmeza às atitudes de fraudes, extorsão, roubo, rachadinhas, mentiras e violência. É na Eucaristia que celebramos a renovação do gesto de Jesus e nos fortalecemos para darmos continuidade à sua ação na história. Fomos salvos para sermos salvadores e libertadores com Cristo.

Pe. Aureliano de Moura Lima, SDN