Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

aurelius

aurelius

  Jesus, vinho novo nascido de Maria

aureliano, 12.10.23

Nossa Senhora Aparecida 2019.jpg

Nossa Senhora da Conceição Aparecida (12 de outubro de 2023]

[Jo 2,1-11)

Ó mãe da nossa pátria,

Escuta a nossa voz:

Teus olhos compassivos

Se voltam para nós.

 

Tu és nosso socorro

Em nossas aflições;

Guarda junto do teu

Os nossos corações.

 

Louvor e honra ao Filho

Que pela Virgem vem;

No Espírito és o brilho

Do Pai eterno. Amém.

Diferentemente dos outros evangelistas, João não apresenta Jesus chamando publicamente as pessoas para a conversão ao Reino de Deus (Mt 4,17; Mc 1,15). João apresenta Jesus iniciando sua vida pública numa festa de casamento. Em Israel o casamento é imagem da aliança de Deus com seu povo (cf. Os 2,19-22).

Neste mesmo capítulo notaremos a discussão a respeito do templo quando Jesus se apresenta como o Templo de Deus, substituindo o templo de Jerusalém que se tornara objeto de exploração dos pobres (cf. Jo 2,13-22). Então o relato de hoje quer mostrar que Deus Pai fez uma nova aliança com a humanidade na pessoa de Jesus de Nazaré. Um novo casamento. Por isso, no evangelho de João, temos a narrativa do primeiro sinal de Jesus numa festa de casamento.

Aqueles aparatos da festa são metáforas da religião antiga que deveria ser renovada pela presença salvadora de Jesus. As talhas, a água, o encarregado são símbolos de uma realidade que precisava ser renovada pelo amor incondicional que Jesus trouxe e revelou, representada no vinho. O vinho novo é o amor de Jesus manifestado “até o fim” (Jo 13,1).

“A mãe de Jesus estava lá”. É muito interessante interpretar essa expressão do evangelho. Primeiro, não tem nome. É mais do que a mãe de Jesus. Ela representa a comunidade cristã. Depois, é a noiva do casamento que está à procura do noivo. O casamento, a aliança se dará na Cruz, a Hora de Jesus que naquela festa de casamento ainda não havia chegado. Na cruz ele dirá: “Mulher, eis aí teu filho”.

Relacionada a Maria, mãe de Jesus, está aquela bela palavra que atravessou séculos como uma ordem da Mãe de Deus: “Fazei tudo o que ele vos disser”. Esta palavra deve continuar ecoando em nossos ouvidos e coração. Pois fazer o que Jesus mandou significa acreditar na palavra dele e colocá-la em prática. Acreditar na palavra de Jesus é abrir-se ao seu amor e deixar-se transformar como aquela água que se transformou em vinho e alegrou o coração de todos os convivas. É a vida nova, um jeito novo de ser, um caminho renovado pela graça de Deus haurida nos sacramentos, na oração, no encontro com ele.

Portanto, Maria, a Mãe de Jesus, é ícone da Igreja. Neste evangelho ela representa a comunidade de Israel que anseia pela vinda do Messias e, por outro lado, a comunidade cristã que acolhe e se deixa renovar pelo vinho novo que ultrapassa as estruturas caducas de uma lei que escraviza as pessoas. Só o amor, representado pelo vinho no relato de hoje, poderá transformar os caminhos da humanidade.

Celebrando hoje nossa Padroeira, queremos elevar nossa prece confiante ao Pai, para que nós brasileiros sejamos fiéis à nossa vocação, nos empenhemos na construção da paz e da justiça, no serviço generoso aos irmãos e no cuidado para com a Mãe Natureza, tão maltratada pela ganância, pela busca frenética do lucro a qualquer preço.

Que neste dia também dedicado às crianças, nosso coração se abra ao cuidado e carinho para com esses pequeninos tão amados por Nosso Senhor, muitas vezes vitimados por abusos e maus tratos por parte adultos irresponsáveis e maldosos. Peçamos a Maria, a Virgem humilde e simples de Nazaré, nos dê aquela simplicidade e candura que caracterizam o coração da criança.

Pe. Aureliano de Moura Lima, SDN

“Não chores!”

aureliano, 03.06.16

10º Domingo do Tempo Comum [05 de junho de 2016]

[Lc 7,11-17]

No relato do último domingo vimos alguém ir ao encontro de Jesus para lhe pedir a cura (Lc 7,1-10). Hoje vemos Jesus indo ao encontro da mãe viúva que leva seu filho único para o cemitério. Posturas diferentes de Jesus que revelam seu olhar misericordioso. Deixa-se sempre tocar pelo sofrimento humano.

Se o relato do evangelho do domingo passado quis mostrar que Jesus veio trazer a salvação para todos, o relato de hoje quer confirmar essa presença de Deus no meio do povo na pessoa de Jesus de Nazaré: “Um grande profeta apareceu entre nós e Deus visitou o seu povo” (Lc 7,16).

Esse texto precisa ser relacionado com a primeira leitura de hoje: 1Rs 17,17-24. Aí se conta que Elias, hospedado na casa da viúva de Sarepta, devolve à mãe o filho com vida: “Eis aqui o teu filho vivo”. A mulher exclama admirada e agradecida: “Agora vejo que és um homem de Deus, e que a palavra do Senhor é verdadeira em tua boca” (1Rs 17,24). A diferença entre esse fato e o de Jesus é que aqui Elias é reconhecido como um “homem de Deus”; e Jesus é reconhecido como “Senhor”. Acrescente-se ainda que, se Elias precisou de se inclinar três vezes sobre o corpo do menino, a Jesus bastou uma palavra: “Jovem, eu te ordeno, levanta-te”. Remete-nos à Criação: “Deus disse: faça-se” (cf. Gn 1,3ss.). A Palavra criadora de Deus “se fez carne e habitou entre nós” (Jo 1,14).

Jesus é o “Profeta” esperado por Israel (Dt 18,15). Mais do que o Profeta, é o Filho de Deus, Deus mesmo visitando e libertando seu povo (cf. Lc 7,16; 1,68).

O evangelho fala de duas “multidões”. Enquanto uma formava um cortejo fúnebre, acompanhando a viúva desatinada, a outra acompanhava Jesus, o “Senhor” da vida. Enquanto uma multidão era tomada pelo pranto, pela dor, pelo desalento, a outra vislumbrava caminhos de esperança, de novos horizontes, de vida nova.

Eis que Jesus se depara com a multidão que caminha sem esperança e vê uma pobre viúva que chora a morte de seu filho. “Ao vê-la, o Senhor sentiu compaixão para com ela e lhe disse: ‘Não chores’”. Jesus não caminha indiferente nem passa despercebido diante das lágrimas de uma pobre viúva que terá como herança o abandona à própria sorte, pois a única esperança de apoio que tinha lhe foi retirada: o filho único.

Esse relato quer mostrar que a “visita” de Deus é uma realidade na pessoa de Jesus de Nazaré. Seu gesto para com a viúva mostra o rosto misericordioso do Pai que se inclina a todos os homens e mulheres, particularmente aos sofredores e enxuga-lhes as lágrimas. É assim o Reino que Jesus veio revelar. Se observarmos as visitas que um governador ou prefeito ou presidente ou algum politiqueiro faz a um bairro ou cidade ou córrego, normalmente, os vemos procurando quem tem poder, quem tem influência, ou então está à cata de votos, de vantagens pessoais. Jesus faz diferente. Ele atenta para um cortejo fúnebre e se aproxima de uma viúva que sofre e chora. Ele vem curar sua dor. Vem curar as feridas do coração (cf. Is 61,1; Sl 147,3).

Talvez fosse bom pensarmos e refletirmos um pouco sobre nossas visitas, nossa presença junto ao povo. A quem buscamos? De quem nos aproximamos? O que temos feito para enxugar as lágrimas dos sofredores? Ainda mais: temos evitado fazer alguém derramar lágrimas por nossa causa? Uma palavra fora de propósito, um gesto ofensivo e arrogante, um desprezo, uma falta de acolhida e de compreensão num momento de dor ou de fraqueza, uma traição... Como temos nos posicionado diante das pessoas que sofrem?

A Igreja é mãe. Deve olhar com misericórdia os sofredores, os pobres, os aflitos, os doentes, os menores. Ela não deve ser motivo de dor, de sofrimento e de lágrimas para ninguém. Pelo contrário, deve ser motivo de alegria, deve enxugar as lágrimas, deve “devolver” a alegria aos que sofrem.

Quantos jovens “mortos” ou no caminho da morte, é oportuno pensarmos nas mães sofridas em conseqüência da “morte” de seus filhos! A sociedade do consumismo, do capitalismo selvagem, do hedonismo a qualquer custo, da corrupção descarada leva nossos jovens para o túmulo de uma vida sem sentido, provocando muita dor e lágrimas. O que podemos fazer para transformar essa realidade de morte em aurora de vida? O que Jesus nos ensina nesse relato de hoje? Que compromisso levo para minha semana?

Pe. Aureliano de Moura Lima, SDN

 

Abençoados para abençoar

aureliano, 06.05.16

Ascensão do Senhor [08 de maio de 2016]

[Lc 24,46-53]

“Homens da Galiléia, por que ficais aqui, parados, olhando para o céu? Esse Jesus que vos foi levado para o céu, virá do mesmo modo como o vistes partir para o céu” (At 1,11). Estas palavras ditas pelos anjos por ocasião da subida de Jesus ao Pai, são interpretadas pela Igreja como uma palavra que nos exorta a não ficarmos parados olhando para o céu, mas que continuemos nossa caminhada nos preparando para a volta do Senhor. Essa é a missão da Igreja: ensinar e ajudar a viver com o coração no céu e os olhos na terra.

No relato de hoje, Jesus se despede dos seus abençoando-os e confiando-lhes uma missão, a sua própria missão. Jesus não ficará na cova da morte, mas triunfará da morte e do pecado. Ele ressuscitará. E a comunidade dos crentes deverá anunciar o bem que ele fez à humanidade: a conversão e o perdão dos pecados a todas as nações. O discípulo deve dar testemunha de tudo isso.

Dar testemunho significa mostrar com a palavra e com a vida a realidade do que se crê. Dar testemunho da morte e ressurreição de Jesus é expressar com a própria vida a bondade que Jesus manifestou em sua vida. É acolher, perdoar, curar os enfermos, doar-se aos pequenos, enfrentar os riscos e perigos para defender os pequeninos do Reino, é assumir o Deus de Jesus como o absoluto da vida. E tudo isso só será possível mediante a “força do alto”. É o Espírito Santo que dará a força, a luz e a sabedoria para que o discípulo de Jesus possa reproduzir em sua vida as ações do Mestre.

A bênção foi o grande dom que Jesus confiou aos discípulos antes de voltar ao Pai: “Ergueu as mãos e os abençoou”. É muito importante retomarmos a reflexão sobre a bênção. Vem de benedicere=bendizer. É cantar um bendito a Deus pelos dons da criação. É ação de graças ao Pai por tudo que Ele faz por nós. É também dizer palavras de bem para alguém. Foi o que fez Jesus. É o que fazem nossos pais conosco. É o que fazemos com nossos filhos, netos, afilhados etc. Deus nos livre de ser pessoas que amaldiçoam, que carregam a maldade no coração, o desejo de vingança! É preciso que sejamos como Abraão: uma benção (cf. Gn 12,2). Na medida em que nos enchemos de Deus, nos aproximamos dele, nos tornamos discípulos de Jesus, nos deixamos  tomar por ele, fazemo-nos uma fonte de bênção para os outros.

O evangelho termina com estas palavras: “E estavam sempre no Templo, bendizendo a Deus”. O evangelho de Lucas começa no Templo – anúncio do anjo a Zacarias – e termina no Templo. Zacarias estava no Templo oferecendo incenso ao Senhor. Aqui os discípulos estão bendizendo. Abençoados por Jesus, elevam uma oração de bênção. A bênção que transmitimos aos outros não é nossa, mas procede de Deus. Ele é o “Sol” e nós somos a “lua” que não tem luz própria, mas reflete a luz do Sol.

-------------xxxxxx-------------

Estamos celebrando o Dia Mundial das Comunicações Sociais com o tema: Comunicação e Misericórdia: um encontro fecundo. Deixo aqui uma palavra do Papa Francisco para reflexão: “A comunicação tem o poder de criar pontes, favorecer o encontro e a inclusão, enriquecendo assim a sociedade. Como é bom ver pessoas esforçando-se por escolher cuidadosamente palavras e gestos para superar as incompreensões, curar a memória ferida e construir paz e harmonia. As palavras podem construir pontes entre as pessoas, as famílias, os grupos sociais, os povos. E isto acontece tanto no ambiente físico como no digital. Assim, palavras e ações hão-de ser tais que nos ajudem a sair dos círculos viciosos de condenações e vinganças que mantêm prisioneiros os indivíduos e as nações, expressando-se através de mensagens de ódio. Ao contrário, a palavra do cristão visa a fazer crescer a comunhão e, mesmo quando deve com firmeza condenar o mal, procura não romper jamais o relacionamento e a comunicação. (...) A comunicação, os seus lugares e os seus instrumentos permitiram um alargamento de horizontes para muitas pessoas. Isto é um dom de Deus, e também uma grande responsabilidade. Gosto de definir este poder da comunicação como «proximidade». O encontro entre a comunicação e a misericórdia é fecundo na medida em que gerar uma proximidade que cuida, conforta, cura, acompanha e faz festa. Num mundo dividido, fragmentado, polarizado, comunicar com misericórdia significa contribuir para a boa, livre e solidária proximidade entre os filhos de Deus e irmãos em humanidade” (Mensagem para o Dia Mundial das Comunicações Sociais de 2016).

Nesse dia seria bom examinarmos como está nossa comunicação. A começar dentro de nossa casa. Estamos nos entendendo? Paramos para escutar? Comunicamos nossas idas e vindas? Ainda mais: por onde ‘navego’ nas redes sociais? A que programas de TV assisto? Que sites visito? Que tipo de comunicação e relacionamento estabeleço no Facebook, no Twitter, no WatsApp etc? As redes sociais são um importante instrumento de comunicação, de informação, de formação e de evangelização. Mas é preciso utilizá-las com moderação e sabedoria.

---------xxxxxxxx-----------

Gostaria de lembrar um acontecimento fundante na Igreja e para a Igreja: a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos a realizar-se nos dias 09 a 15 de maio, que traz como lema: Chamados a proclamar os altos feitos do Senhor(1Pd 2,9). O texto todo diz o seguinte: Vós, porém, sois a raça eleita, a comunidade sacerdotal do rei, a nação santa, o povo que Deus conquistou para si, para que proclameis os altos feitos daquele que das trevas vos chamou para sua maravilhosa luz; vós que outrora não éreis seu povo, mas agora sois o povo de Deus; vós que não tínheis alcançado misericórdia, mas agora alcançastes misericórdia” (1Pd 2,9-10). “O Batismo inicia a aventura de um novo itinerário de fé pelo qual todo novo cristão se insere no povo de Deus através dos tempos. A Palavra de Deus – quer dizer as Escrituras a partir das quais os cristãos de todas as tradições rezam, estudam e refletem – estabelece entre eles uma comunhão real, apesar de ainda incompleta. Nos textos sagrados da Bíblia que partilhamos, aprendemos como Deus agiu para salvar os homens no decorrer da história da salvação: livrando o seu povo da escravidão do Egito, e no evento que constitui o maior dos seus altos feitos: a ressurreição de Jesus dentre os mortos fazendo-nos todos entrar numa vida nova. A partir disso, a leitura orante da Bíblia convida os cristãos a reconhecer os altos feitos de Deus na sua própria vida. - Como estamos vendo os “altos feitos” de Deus e como estamos respondendo: pela adoração e o louvor, trabalhando para a justiça e a paz ? - Qual valor damos às Escrituras enquanto elas constituem a Palavra da Vida que nos chama ainda mais à unidade e ao compromisso missionário ?” (WWW. Vaticano).

--------------xxxxxxx--------------

Celebramos também o Dia das Mães. Seria bom nos lembrarmos neste dia das mães sofredoras. Há mães que não experimentam alegrias neste dia. Talvez experimentem ainda uma dor maior. Que tal fazermos uma visita solidária a alguma mãe sofrida? Que tal darmos uma presença a crianças que não têm a mãe por perto? Mais do que festanças, comilanças e bebedeiras, precisamos caminhar na direção de maior solidariedade!

Celebrar a Ascensão do Senhor é viver com o coração no céu e com os pés na terra. É andar sempre com passos firmes e solidários. É ter a capacidade de perceber a presença do Ressuscitado no irmão que sofre, na comunidade reunida, na vida que refloresce.

Pe. Aureliano de Moura Lima, SDN