Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

aurelius

aurelius

Atitude confiante: “Senhor, salva-me”

aureliano, 07.08.20

19º Domingo do TC - A - 09 de agosto.jpg

19º Domingo do Tempo Comum [09 de agosto de 2020]

[Mt 14,22-33]

O relato de hoje está em continuidade com o relato da multiplicação dos pães (Mt 14,13-21). Aquele Jesus que multiplicou os pães, dando um sinal do Reino anunciado nas parábolas do capítulo 13 de Mateus, tem poder também sobre a tempestade do mar (como nos relatos teofânicos do Antigo Testamento). N’Ele se pode confiar. O discípulo pode assumir a participação em sua vida: “Dai-lhes vós mesmos de comer”, pois nas tempestades da vida, ele está junto, não abandona.

É interessante fazer a leitura da simbologia presente neste relato: o mar revolto, na mitologia antiga, representava o domínio das forças do mal. Aquilo que o homem não conseguia explicar ou dominar ele o atribuía a forças superiores: ou deuses, ou anjos, ou demônios, ou monstros marinhos. A noite significava o domínio das trevas. O barco, a realidade de cada um em meio aos desafios: ondas e ventos. Pode também significar a comunidade que faz experiências diferentes: sem a presença de Jesus, é tomada pelo medo; com Jesus, acalma-se e continua sua missão.

O evangelho de hoje nos ajuda a repensar muitas coisas. Primeiro, mostra Jesus orante. Mateus mostra Jesus orando apenas duas vezes: aqui, depois da multiplicação dos pães, e no Monte das Oliveiras, antes da sua prisão. Lucas já é mais farto em mostrar essa dimensão de Jesus. O fato é que Jesus reservava tempos fortes de oração ao Pai. E o fazia muitas vezes sozinho. Essa atitude de Jesus apresentado nos evangelhos nos faz perguntar: qual o tempo que reservo para a oração, a leitura orante da bíblia, para a celebração? Sem oração, vida de intimidade como o Pai, não se podem vencer as “tempestades” da vida.

Outro elemento é a relação de Jesus com os discípulos e com Pedro, particularmente: não os abandona à mercê das tempestades. Os discípulos quando viram Jesus, pensaram que fosse um fantasma e ficaram com medo. Ninguém podia dominar o mar, caminhar sobre ele! Jesus diz aquelas confortadoras palavras: “Tende confiança, sou eu, não tenhais medo”. A certeza de que Deus caminha conosco, que não nos abandona no meio das dificuldades é muito confortador! Sem a presença dele ficamos apavorados e com medo. Com ele ficamos serenos e confiantes. Pedro até arrisca caminhar sobre as águas! Mas a atitude de Pedro serviu de lição para si mesmo e também para nós. Jesus não pretende que seu discípulo caminhe sobre as águas, faça espetáculo, sinais mirabolantes. Por isso Pedro afunda. Todo aquele que confia em si mesmo, que busca o poder, assume atitude de dominação, assume atitudes de autossuficiência está na contramão do ensinamento de Jesus. E, consequentemente, afunda-se a si mesmo e aos outros. Nossa atitude deve ser sempre parecida com a de Jesus: confiar no Pai e estender a mão àqueles que estão afundando no mar da maldade, da injustiça, do sofrimento. Quantas pessoas a nos dizer todos os dias: “salva-me!”.

Um elemento que não pode passar despercebido é também a dimensão da fé. Muitas vezes entende-se fé como o conhecimento intelectual de um conjunto de verdades e doutrinas proclamadas e proferidas com os lábios. O relato do evangelho de hoje manifesta claramente que fé é um dom de Deus que precisa ser cultivado e que se manifesta em atitude de vida.  É uma abertura confiante a Jesus Cristo como sentido último da existência. É ter a coragem de “caminhar sobre as águas”. Ou seja, entregar-se confiante a Deus e não aos ídolos cotidianos que nos iludem, sugam nossas energias e desviam nossa atenção do caminho do bem. É viver sustentados não por nossas seguranças materiais e argumentos puramente racionais, mas por nossa confiança n’Aquele que nos toma pela mão. Aquele que nos move a dar a mão a quem está sendo sufocado pela maldade humana ou pelas dores da vida. É egoísmo rezar: “Senhor acalma minha tempestade”, quando não me sensibilizo diante da tempestade do outro que pode ser maior do que a minha. Ou pior ainda, quando sou motivo de tempestade na vida do outro trazendo-lhe dor, sofrimento, angústia, miséria.

Por outro lado, este relato dá margem para refletir sobre as incertezas e falta de fé muito presentes em nossa sociedade contemporânea. Hoje já se fala de sociedade pós-cristã. Experimentamos uma realidade social religiosa, porém sem fé cristã. Muitos buscam expressões e manifestações religiosas, mas não querem se comprometer com a fé proclamada. Fazem da religião uma espécie de supermercado. Cada um busca na religião o que lhe convém, aquilo que mais lhe agrada ou atende a seus anseios e sentimentos do momento. A falta de fé, as dúvidas, as incertezas não estão longe de nós. Estão dentro de nossas casas, de nossas comunidades, até mesmo dentro de nós ocorre experimentarmos aquele sentimento de Pedro e a atitude dos discípulos - medo, insegurança, incerteza - que mereceram a advertência de Jesus: “Homem fraco na fé, por que duvidaste?” (Mt 14,31). Por outro lado, Jesus o tomou pela mão, bem como dissera aos discípulos: “Tende confiança, sou eu, não tenhais medo” (Mt 14,27).

Finalmente, um grande ensinamento deste relato é o modo como Deus se manifesta: na brisa suave (1Rs 19, 9-13). Nosso Deus não é um Deus da ameaça, do medo, da punição, do castigo. De jeito nenhum. O Deus que Jesus revela é um Deus misericordioso, manso, que se dá a conhecer nas pequenas coisas. Isso não significa que seja um Deus de moleza, complacente, pois tem mais força do que o mar. Ele quer que não tenhamos medo, mas uma fé confiante. E essa fé não é de momento, de entusiasmo, como fogo de palha, mas constante, indo até Ele sem se deixar “levar pelas ondas”.

Senhor, salva-nos da corrupção, da falta de ética, da mentira, da perversidade de coração que ameaça milhões de brasileiros desempregados, injustiçados e invisíveis. Salva-nos, Senhor, de gente corrupta, mentirosa e depravada. Salva-nos, Senhor, quando a mesquinhez e a ganância ameaçam tomar conta de nosso coração. Salva-nos, Senhor, quando a fé, a confiança, a esperança se mostrarem enfraquecidas e ressequidas pelas ondas do materialismo, do hedonismo, do narcisismo, do desencanto e do relativismo. Salva-nos, Senhor! Toma-nos pela mão, sobretudo quando nos faltarem forças, quando o desânimo nos ameaçar, quando a escuridão embaçar nossos horizontes. Salva-nos, Senhor! Toma-nos pela mão! Tira todo medo de nosso coração. Ajuda a nossa pouca fé! Amém.

*Nesse mês consagrado às vocações seria bom intensificarmos nossa oração pelas vocações e também promovermos o trabalho vocacional em nossas comunidades. Muitas pessoas não assumem ministérios na comunidade ou mesmo não entram para a vida consagrada e presbiteral por falta de motivação, apoio. Que você tem feito pelas vocações?

**Comemoramos neste domingo o Dia dos Pais. Penso que seria oportuno lembrarmos, com mais piedade e carinho, de nossos pais, vivos ou falecidos. Fazer uma viagem na nossa própria história e descobrirmos aí motivos para agradecermos ao Pai do céu o dom de nossa vida cuidada pelos nossos pais. Quanta luta, quanto trabalho, quantas angústias nossos pais sofreram e enfrentaram para nos criar e educar! Também seria bom exercitarmos a atitude de perdão para com nosso pai se porventura temos motivo para isso: naquelas situações que nosso pai não exerceu com seriedade e responsabilidade a paternidade. Enfim, cada qual sabe como deverá se colocar diante de Deus para louvar e agradecer.

Pe. Aureliano de Moura Lima, SDN

Crer em Jesus, o Pão da vida

aureliano, 10.08.18

19º Domingo do Tempo Comum [12 de agosto de 2018]

   [Jo 6,41-51]

Continuamos refletindo o capítulo sexto do evangelho de João. Neste capítulo Jesus se apresenta como o “Pão da Vida”. Os judeus reagem a essa revelação de Jesus e, consequentemente, não se deixam “atrair” pelo Pai à fé no seu Filho querido.

Por que não se abrem à Boa Nova? Porque estão fechados em si mesmos. Têm medo de abandonar a estrutura fria, pétrea, ritualista que haviam criado. Uma espécie de redoma que os protege. O novo trazido por Jesus os ameaça. Exatamente porque mexe com as estruturas fixas e comodistas que haviam criado em torno da Lei e do Templo.

Não cabia na mentalidade deles que a Encarnação do Mistério insondável de Deus se desse num homem simples, de Nazaré, filho de Maria e de José: “Não é ele o filho de José?”. Sem uma atitude de simplicidade, de abertura, de humildade, de entrega não é possível acreditar em Jesus. É preciso deixar-se “atrair pelo Pai”. A fé é dom de Deus e não constructo humano. É deixar-se tocar pelo “encontro com uma Pessoa, com um Mistério que dá novo horizonte e sentido à vida” (Bento XVI).

A vida eterna se alcança por meio dessa fé. E vida eterna não é simplesmente algo para além da morte nem continuação dessa vida. É a experiência de uma existência vivida em Deus já neste mundo. E que continua de modo novo e pleno na eternidade. Fé é adesão a Jesus Cristo. É o comprometimento com sua vida, seu ensinamento. Dá coragem de enfrentar o que ele enfrentou: “As forças da morte, a injustiça e a ganância do ter, presentes naqueles que impedem ao pobre viver”.

O profeta Elias, de quem fala a primeira leitura (1Rs 19,4-8), enfrentou essa realidade: defensor da fé de Israel, protetor dos pobres (a vinha de Nabot), profeta de Deus: foi perseguido. Foge com medo da perseguição e entra numa situação de dor, de angústia profunda, de desânimo, pois se sente sozinho, talvez por confiar muito nas próprias forças. Pede a morte. Mas o Senhor não o abandona. Dá-lhe o pão para que caminhe e busque em Deus a força para prosseguir sua missão.

A fé cristã é, pois, comprometedora. Ela nos coloca, por vezes, face a face com a morte. Possuir a vida eterna é lutar, desde já, para que todos tenham vida. Para que o Pão da
Vida esteja na mesa e no coração dos mais pobres. Comer do pão, que é o próprio Jesus presente na Eucaristia e na Palavra, garante vida eterna. O corpo de Jesus doado na Eucaristia mostra como ele se entrega, se doa. E quando comungamos (do Pão e/ou da Palavra) estamos dizendo que nos comprometemos com tudo o que Jesus fez e ensinou. Aquele “amém” pronunciado como resposta à palavra do ministro quando nos diz: “o Corpo de Cristo”, significa: “Eu creio”, “Eu me comprometo”, “Eu também quero doar minha vida”.

Comer o Pão da Vida significa nos comprometermos a doar também um pão de vida. Não nos é desconhecido que a própria religião pode prometer um pão de morte. Quanta gente sendo enganada por líderes religiosos prometendo prosperidade, cura, emprego, milagres! Fazendo campanha eleitoreira em nome da religião! É um pão de morte porque de desilusão, de fantasia, de enganação. Jesus promete um alimento que “perdura para a vida eterna”. Ele é o pão do céu: “Quem dele comer nunca morrerá”. Este Pão que alimenta e revigora, deve fazer brotar melhores condições de vida ao redor de quem dele participa.

Deixemo-nos atrair pelo Pai para que Jesus seja realmente nossa fonte de vida. Para que nossa vida seja marcada verdadeiramente por ele. Para que nossas decisões, nossas atitudes, nossos relacionamentos se inspirem nele. Para que busquemos, acima de tudo, o bem das pessoas e não usemos delas em proveito próprio. Foi isso que Jesus fez. É o que o cristão deve fazer.

Santo Agostinho dizia: "Dois amores construíram duas cidades: o amor a si mesmo, dizendo que queria contentar a Deus, construiu a cidade da Babilônia, isto é, aquela do mundo e da imoralidade; o amor a Deus, ainda que para contentar a si mesmo, construiu a cidade de Deus". Isso significa que o amor de si mesmo, o egoísmo, destrói a vida. O amor pelo próximo é construção de vida. É doação, é saída de si. Todo amor-doação é gerador de nova vida. Foi o que Jesus fez e pediu que fizéssemos: “Amai-vos como eu vos amei”.

*Neste dia em que celebramos o Dia dos Pais, pensemos um pouco na responsabilidade de ser pai: ser colaborador do ato criador de Deus Pai. O pai da terra é representante do Pai do céu. Deve, pois, amparar, zelar, educar, acompanhar a vida de seus filhos. Não basta colocar filho no mundo. É preciso formar para a vida. Pai não é aquele que gera, mas aquele que educa. Essa história de que basta dar “pensão alimentícia” é irresponsabilidade, falta de compromisso e de amor ao ser humano que tem direito a ter um pai que ama, que forma, que educa, que limita, que se doa. Pensemos e rezemos também pelos pais presidiários, desempregados, doentes, refugiados, impossibilitados de participar da vida dos filhos. Pensemos ainda nos filhos que não têm ou não tiveram a oportunidade de ter um pai presente, solícito, amoroso, que lhe dê firmeza e rumo para a vida. Há muita dor que precisa de alento, de solidariedade.

                Pe. Aureliano de Moura Lima, SDN