Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

aurelius

aurelius

Tempo, conversão e seguimento

aureliano, 19.01.24

3º Domingo TC - B.jpg

3º Domingo do Tempo Comum [21 de janeiro de 2024]

[Mc 1,14-20]

A liturgia deste domingo nos convida a refletir, isto é, a nos dobrarmos (re-flectere) sobre três elementos constitutivos da caminhada cristã: o tempo, a conversão e o seguimento a Jesus.

No domingo passado, a partir do evangelho de João, refletimos a respeito da vocação, chamado de Deus para a comunhão com ele e para uma missão. O encontro com Jesus é determinante na busca pelo sentido da vida. Quando fazemos com ele um encontro de verdade, nossa vida toma nova direção, novo sentido. E transbordamos para os outros a experiência que fizemos: André chama seu irmão Simão e o apresenta a Jesus (cf. Jo 1, 40-42). Se nossa missão não proceder de um transbordamento da experiência do encontro com o Senhor, não é cristã. Poderá ser vaidade, fanatismo, prepotência, autoengano. Pois a missão não é nossa, mas de Deus (Missio Dei). Vamos conferir como anda a realização da missão que o Senhor nos confiou. Que rastros temos deixado, que tipo de semente temos semeado?

O TEMPO: Na liturgia da palavra de hoje encontramos referências ao tempo. Na primeira leitura, lemos: “dentro de quarenta dias”; na segunda leitura temos: “O tempo está abreviado... A figura deste mundo passa”; e no evangelho: “O tempo já se completou e o Reino de Deus está próximo”.

Podemos considerar o tempo em três dimensões: o tempo cósmico, regulado pelos ciclos da natureza; o tempo histórico, regulado pelo fluxo dos acontecimentos; e o tempo teológico, vivido à luz da fé num Deus para quem não existe passado nem futuro, mas um eterno presente: “Nasceu para vós, hoje, o Salvador” (cf. Lc 2,11). “Hoje, a salvação entrou nesta casa” (cf. Lc 19,9). “Hoje mesmo estarás comigo no paraíso” (cf. Lc 23,43).

O tempo cósmico, entrelaçado ao tempo histórico, ajuda a perceber os dias e as horas, os acontecimentos que vão determinando novos rumos para a humanidade, novo modo de se relacionar etc. Assim, quando a pessoa vai ficando mais velha, vai percebendo que fica mais limitada e precisa se relacionar com a natureza e com as pessoas de modo diferente. Percebe que a juventude se foi. Já para o jovem trabalhador ou estudante, a dinâmica se dá de modo diferente. Precisa correr contra o tempo para não “sobrar”.

Do ponto de vista da história, com o passar do tempo, os acontecimentos na política, na economia, na cultura vão modificando as relações. Elementos novos vão surgindo e medidas novas precisam ser tomadas para que a história se construa de maneira a ajudar o ser humano a encontrar sentido para sua vida. Fazendo memória da política brasileira podemos identificar onde estão as forças perversas e geradoras de morte: desvio dos recursos destinados ao combate do corona vírus; falta de empenho na produção e compra da vacina; falta de cuidado com os acometidos pela enfermidade. Olhando para a história de nossa Igreja podemos ver aí os sinais de vida trazidos pela renovação do Concílio Vaticano II e as forças retrógradas insistindo em “voltar atrás”. Culturalmente falando vivemos um momento terrível: se, por um lado, crescem os avanços da técnica e da ciência, por outro, paradoxalmente, a perplexidade diante do futuro aumenta, pois a vida está sempre mais ameaçada.

Minha intenção é ressaltar o tempo chamado pelos gregos de kairós: tempo sem medida, sem relógio, tempo de Deus. O tempo teológico. Aqui não prevalecem dias, meses ou anos, mas a experiência de Deus que cada um faz. É um tempo que não comporta quantificação. Neste tempo a pessoa pode viver 80 anos ou mesmo 10 anos: não contam os anos, nem tampouco conhecimento, dinheiro, bens, poder. O que conta é a vida vivida em Deus e a partir d’Ele.

A CONVERSÃO: Chegou o tempo de Deus. Jesus quer dar um novo sentido à vida humana. Por isso ele convida à conversão. Converter-se é mudar de direção quando o rumo que encetamos  não confere com o projeto de Jesus. Converter-se é convergir a atenção e as forças para uma única direção: o Reino de Deus. É sair da dispersão que desperdiça as energias em muitas coisas que prejudicam o crescimento do Reino de Deus. Então aqui o tempo é breve: não se pode esperar muito. Não se trata de deixar para mudar de vida quando estiver mais velho, quando estiver aposentado, quando não tiver mais forças para continuar numa vida depravada ou perversa. Seria causar um enorme prejuízo ao Reino. Deus precisa de nossas forças, de nossas energias bem empregadas para fazer o Reino acontecer.

No próximo dia 25 celebramos a festa da Conversão de São Paulo. Um motivo a mais para repensarmos nossa vida, as possibilidades que o Senhor nos dá e empregá-las sempre para o bem do próximo. Para isto é preciso abertura de coração, coragem de mudar, abertura ao novo, ao inesperado de Deus que vem a nós, por vezes, através de um irmão ou acontecimento que nos surpreende. - De que preciso me converter? O que preciso mudar em minha vida para que eu seja mais fraterno, mais manso, mais amável, mais misericordioso, mais tolerante, mais justo, mais respeitoso? De que me acusa minha consciência?

O SEGUIMENTO: Jesus quer contar com colaboradores para revelar seu Reino ao mundo (re-velar é tirar o véu da maldade e do pecado que retardam a realização do Reino). Jesus é o profeta de Deus. Os sinais milagrosos que realiza servem para mostrar que Deus está com ele. Jesus não veio para fazer milagres, mas para mostrar que Deus nos ama e quer que participemos ativamente de seu projeto de amor.

Ao chamar os primeiros discípulos, conforme o evangelho de hoje relata, Jesus mostrou que não queria trabalhar sozinho. Ele quis contar com colaboradores. E estes deviam fazer alguns cortes em sua vida. Deviam se converter, tomar um novo rumo. Mudar de horizonte e de foco. Por isso deixam redes, barcas e família. Não temos nesse mundo morada permanente. “Os que têm mulher vivam como se não a tivessem” (1Cor 7,29). A vida do cristão deve ser vivida de modo kairológico, no tempo de Deus, para Deus.

Ao libertar o endemoninhado, Jesus mostra que Deus nos quer livres de todo mal que nos oprime e que é superior às nossas forças. Por isso precisamos da força de Deus manifestada em Jesus. Vivendo em comunidade, enfrentemos o mal na força e na palavra de Jesus. A conversão nos introduz na dinâmica de Jesus, de maneira que nosso modo de viver vai dando um novo jeito de ser ao mundo que nos cerca. As forças da maldade vão se dissipando pela presença da Graça e da Luz de Deus. Quando não revidamos com violência uma palavra ou atitude ofensiva. Quando não nos deixamos levar pela ganância. Quando nos solidarizamos com o sofrimento do ser humano e fazemos algo para lhe aliviar a dor, seja com atitudes individuais, seja organizando e somando forças para conseguir melhorias para a rua, o córrego, o bairro, a escola, o posto de saúde etc. É para isso que o Senhor nos chama e conta conosco.

Estes três elementos que destacamos na liturgia da Palavra de hoje querem nos ajudar a perceber que a vida é dom de Deus e deve ser vivida de tal maneira que ela seja um sinal do amor de Deus no mundo. Vivendo assim experimentaremos a alegria de viver, mesmo em meio a sofrimentos. Estes serão convertidos em fonte de vida, porque unidos à vida de Jesus.

O Servo de Deus, Pe. Júlio Maria, fundador de nossa Congregação Sacramentina, procurou fazer de sua vida um dom. Um homem que fez dos 66 anos de vida um Kairós, um tempo de Deus e para Deus no serviço aos irmãos e irmãs, tornando-se, assim, uma inspiração para nossa vida cristã.

O tempo é breve. A figura deste mundo passa. Então façamos o bem enquanto é tempo.

Pe. Aureliano de Moura Lima, SDN

A cruz no caminho com Jesus

aureliano, 02.09.22

23º domingo do TC - C - 04 de setembro.jpg

23º Domingo do Tempo Comum [04 de setembro de 2022]

[Lc 14, 25-33]

No caminho para Jerusalém não há meio termo. Para seguir a Jesus é preciso tomada de decisão radical. Não é suficiente acompanhar as multidões. Fé cristã não é imbuir-se de uma ideia, não é adesão a uma ideologia, mas trata-se de adesão e seguimento a uma pessoa concreta: Jesus de Nazaré. Não podemos perder de vista aquelas palavras iluminadas do Papa Emérito Bento XVI: “No início do ser cristão, não há uma decisão ética ou uma grande ideia, mas o encontro com um acontecimento, com uma Pessoa que dá à vida um novo horizonte e, desta forma, o rumo decisivo”.

No caminho de adesão a Cristo, todos os dias devemos reafirmar nossa opção por Ele que nos amou e por nós se entregou. Não se pode servir a dois senhores (cf. Mt 6,24). A renúncia aos apegos familiares e a tomada da cruz de cada dia são elementos constitutivos da vida cristã e não somente para as pessoas que assumem a Vida Consagrada. Porém vamos tentar compreender melhor o que isso significa.

Ser cristão é uma Graça de Deus. Mas também é uma opção por Cristo, opção radical, renovada todos os dias. O Reino anunciado por Jesus precisa ser prioridade na vida do cristão. As relações familiares devem também estar a serviço deste Reino. Sempre que houver intervenção da família contrariando os interesses do Reino, é necessário refazer o caminho e re-optar, voltar ao primeiro amor (cf. Ap 2,4). Na vida cristã, o “investimento” tem que ser total. A fé cristã não comporta meias-medidas. A prioridade do cristão que assumiu uma vida familiar não são os filhos, a mulher, o marido ou os pais, mas o Reino de Deus. Em outras palavras, aqueles valores e princípios vividos e propostos por Jesus devem ser a bússola da vida familiar.

A renúncia traz como consequência a cruz. E o que significa carregar a cruz? Aqui precisamos nos deter um pouquinho, pois há equívocos no entendimento dessa palavra de Jesus. Alguns entendem “carregar a cruz” como fazer duras penitências, jejuns, buscar sofrimentos e padecimentos. Outra compreensão muito comum é interpretar a cruz como aceitação das dores e intempéries da vida. Na medida que a pessoa acolhe pacientemente as dificuldades inerentes à vida humana, tais como desencontros, fracassos, doenças, incompreensões, enfretamentos de situações injustas, a acolhida e socorro aos que sofrem etc, está levando a cruz com Jesus.

Bem. O que dissemos até agora é uma possibilidade de interpretação, talvez a mais comum. Porém, para dizer de modo estritamente cristão e evangélico, “carregar a cruz” ainda não é isso. É mais. Muito embora se possa captar no sofrimento cotidiano um conteúdo cristão quando abraçado em Cristo.

Para se entender o que significa “carregar a cruz” precisamos fazer uma viagem histórico-teológica. O que foi “carregar a cruz” para Jesus? Segundo o costume romano, “aquele que carregava a cruz era um condenado por algum crime considerado grave cujo título era levado ao pescoço e atravessava a cidade levando o instrumento de sua execução. Desse modo era mostrado como culpado para toda a sociedade, era excluído, considerado indigno de continuar vivendo entre os seus” (Pe. J. A. Pagola). Foi o que aconteceu a Jesus.

Então “carregar a cruz” significa perfazer o caminho que fez Jesus: “sofrer, com coragem, as rejeições, perseguições, condenações, humilhações infligidas pela sociedade e pelos próprios amigos e familiares, provocadas por causa da fidelidade a Deus e ao Evangelho” (Pe. J. Antônio Pagola). Esse é o caminho de Jesus. Por isso pressupõe opção clara e decisão firme.

-----------xxxxx----------

FÉ VERDADEIRA COMPROMETE A PESSOA

O Evangelho de Lucas descreve Jesus caminhando para Jerusalém. Lá seria o lugar da sua morte, mas também, o marco da comunidade cristã de onde partiria para o mundo, anunciando que aquele que morreu crucificado, ressuscitou, está vivo no meio da comunidade.

O discípulo de Jesus deve também percorrer esse caminho porque “o discípulo não é maior do que o mestre” (cf. Mt 10,24-25). E assim como Jesus enfrentou a cruz por causa de sua fidelidade ao Pai, o discípulo também deve fazer os devidos cortes na vida para chegar à ressurreição, colocando Deus como o absoluto de sua vida.

Quando lançamos um olhar para a proposta de Jesus e nos deparamos com uma sociedade  em que se faz do cristianismo um ‘supermercado da fé’ e um jogo eleitoreiro, é preciso identificar aí uma contradição. Não é possível crer em Jesus e não se comprometer com o caminho que ele fez. Se por um lado Jesus propõe sair de si em total desprendimento, fazendo-se dom para os outros, por outro, faz muito sucesso a proposta enganadora e sedutora de uma fé que busca responder às necessidades imediatas, resolver problemas, construindo um deus à própria imagem e semelhança. Ou mesmo fazer-se passar por religioso para conquistar votos nas urnas.

É preciso voltar nosso olhar para a proposta de Jesus: “odiar (desapegar-se) pai e mãe, mulher, filhos, irmãos e irmãs e até a própria vida”, “carregar a própria cruz” e “ir atrás de Jesus”. É uma opção que supõe renúncias, riscos e caminho a ser percorrido.

“Odiar pai e mãe” não pode ser entendido como ‘querer mal’; é um hebraísmo que significa desapego total. Em outras palavras: os afetos familiares não podem ser preferidos à proposta de Jesus (cf. Lc 9,57.62). O Reino que Jesus veio anunciar deve ocupar o primeiro lugar na vida do discípulo. Inclusive o casamento, a vida familiar só tem sentido na dinâmica do Reino de Deus. Casar-se, constituir família em busca apenas de bem-estar, para enriquecimento material, para gozar a vida, não faz sentido para o discípulo de Jesus. A vida afetiva na família deve ser também um instrumento e sinal do Reino de Deus. Este deve ocupar o primeiro lugar. Não deixar-se escravizar por nada: nem pelos bens nem pelos parentes nem por qualquer outra coisa. “É para a liberdade que Cristo nos libertou” (Gl 5,1).

Partindo dessa compreensão do texto bíblico podemos afirmar que crer em Jesus é encarar o desafio de amar sem medida, até o fim, porque ele nos "amou até o fim” (cf. Jo 13,1). Não dá para começar a construção e abandonar a empreitada. É preciso continuar.

Seguir Jesus, ser seu discípulo requer comprometimento pessoal. Não podemos nos deixar manipular por gente má e perversa que se serve da religião para oprimir e dominar. É preciso que, como Jesus, o discípulo se comprometa pessoalmente com sua fé e abrace as consequências desse seu comprometimento. “Qualquer de vós, que não renunciar a tudo o que possui, não pode ser meu discípulo”.

*Estamos no mês da Bíblia. Quem sabe você poderia fortalecer ainda mais seu amor à Palavra de Deus, fazendo a leitura orante, participando com mais entusiasmo dos grupos de reflexão e círculos bíblicos, alimentando nos seus filhos, na sua família o amor e o encantamento pela Palavra de Deus?! Hoje há muita facilidade de se acompanhar a liturgia diária pela internet. Antes de ir para o trabalho, poderia dar uma lida no evangelho do dia, no salmo... Ou mesmo fazer o compromisso de ler Josué, livro proposto pela Igreja para nossa meditação esse ano. São 24 capítulos que narram a conquista da terra de Canaã após longa travessia no deserto. Descreve a ação de Deus na vida do seu povo escolhido, sempre pronto a combater em favor de quem demonstra fidelidade: “O Senhor, teu Deus, estará contigo por onde quer que vás” (Js 1,9). Vamos nesta?

Pe. Aureliano de Moura Lima, SDN

Seguimento a Jesus

aureliano, 24.06.22

13º Domingo do TC - C - 26 de junho.jpg

13º Domingo do Tempo Comum [26 de junho de 2022]

[Lc 9,51-62]

O evangelho de Lucas descreve Jesus numa longa caminhada para Jerusalém. Ali ele vai entregar sua vida. Ressuscitado, enviará seus discípulos para a missão até os confins da terra. Sua missão terrestre termina em Jerusalém. E a missão da Igreja (recebida de Jesus) também começa aí.

No relato do evangelho do domingo passado (Lc 9, 18-24) vimos o diálogo sobre a identidade de Jesus, a predição de sua paixão e o convite ao discipulado com a cruz. Continuando o relato, notamos que Jesus, a partir de então, não será mais apresentado como “profeta”, pois agora sabem que ele é o “Cristo de Deus”. A partir de agora surgirão as resistências e rejeições às suas ações e palavras.

Dizer que Jesus tomou a “firme decisão” (“endureceu a face”, numa tradução literal) de subir a Jerusalém, indica que ele previa que, para ser fiel ao Pai, precisava decidir por Ele, estar disposto a enfrentar a perseguição, a cruz, a morte. O prenúncio da resistência já se manifesta na rejeição que os samaritanos fazem aos seus enviados.

Se no Primeiro Testamento aparece a figura de um Deus que castiga seus opositores, aqui é clara a nova compreensão que Jesus deseja incutir em seus discípulos. Eles querem empregar a Lei do Talião: “Senhor queres que mandemos descer fogo do céu para destruí-los?”. Agora, em Jesus, é preciso “oferecer a outra face”. Não se pode pedir a destruição dos opositores num uso e abuso de poder. Na dinâmica de Jesus o poder está sempre a serviço da paz e da fraternidade.

Nestes primeiros versículos Jesus nos ensina que o cumprimento da vontade do Pai implica firmeza na decisão. As correntes contrárias são muito mais fortes do que nós. Se não firmarmos o rosto na direção de Deus, dispostos a “bofetões e cusparadas” (cf. Is 50,6), certamente vamos desanimar, ou entrar nas ondas do mal. Jesus não está interessado em mais seguidores, mas seguidores comprometidos, capazes de renunciar às falsas seguranças do dinheiro e do poder e se entregarem ao serviço do Reino de Deus.

No caminho para Jerusalém aparecem três situações que merecem ser contempladas:

  1. Alguém quer seguir a Jesus. Sua resposta é radical: “O Filho do Homem não tem onde reclinar a cabeça”. Jesus não oferece bem-estar a seus seguidores. Quem estiver em busca de segurança, de dinheiro, de reconhecimento, de fama, de sucesso não serve para segui-lo. A religião trazida por Jesus não é lugar de refúgio contra os males do mundo, mas um espaço de encontro e de intimidade com o Senhor que nos toma pela mão e nos coloca em vulnerabilidade para que “todos tenham vida” (Jo 10,10). É na fraqueza que a força se manifesta (cf. 2Cor 12,9). Todos sabemos aonde levam os apegos excessivos aos bens e às pessoas: desencontro, rixa, assassinato, guerra, ódio, divisão, pranto e lágrima.
  2. Nesta outra cena Jesus é quem chama: “Segue-me”. Mas o moço queria primeiro enterrar o pai. A resposta de Jesus é desconcertante: “Deixe que os mortos enterrem seus mortos; mas tu vai anunciar o Reino de Deus”. Jesus alerta para aquelas situações de apego à família quando esta é empecilho para o serviço ao Reino de Deus. Ninguém deve retardar ou frear o serviço de Deus. Os “mortos”, aqueles que vivem em função de si mesmos, não podem impedir o serviço à vida. Aqui há um aceno à primeira leitura: Eliseu pediu para “beijar o pai e a mãe” e depois seguir a Elias (cf. 1Rs 19,20). Jesus radicaliza: o Reino de Deus não admite adiamento, procrastinação.
  3. Nesta terceira cena, outro se oferece para segui-lo, mas com a condição de, primeiro, despedir-se dos seus familiares. A resposta de Jesus mostra que, para segui-lo, é preciso olhar para frente: “Quem põe a mão no arado e olha para trás, não está apto para o Reino de Deus”. Por vezes é preciso contrariar os próprios familiares para nos mantermos fiéis ao Evangelho. Este deve ser a regra máxima de nossa vida: nos negócios, na relação com o dinheiro, na construção da família, nas relações de trabalho, nas relações de amizade, nas opções políticas. Este relato remete-nos também à primeira leitura de hoje, pois faz referência à lavra de terra com junta de bois (1Rs 19,19). Jesus vai além: não usa da violência de Eliseu que sacrificou os bois e nem permite que primeiro se despeça dos familiares. Ou seja, é preciso olhar para frente, ter audácia para seguir os passos de Jesus. É a necessidade de superação de uma religião estática, presa ao passado. Um olhar para frente, com criatividade, com esperança.

O relato do evangelho deste domingo nos faz notar que Jesus desejou constituir um grupo de discípulos. Não se preocupa em ensinar-lhes doutrina, mas torná-los seus seguidores. A profissão deles de agora em diante é a de serem anunciadores de um novo modo de vida. Por isso devem abandonar o modo de vida anterior. Ao sentir-se chamado, cada um deve tomar uma decisão firme. A primeira atitude é a profissão de fé, o reconhecimento de que Jesus é o “Cristo de Deus”. Uma vez que Jesus é reconhecido como Aquele em quem depositamos nossa fé (cf. 2Tm 1,12), o discípulo deve se desprender dos bens materiais, do prazer mundano, do poder pelo poder, do apego ao dinheiro, da busca de si mesmo  para viver a liberdade dos filhos de Deus: “É para a liberdade que Cristo nos libertou” (Gl 5,1.13).

Somente pela ruptura com as forças do mal: a mentira, o ódio, o preconceito, o mundanismo perverso, a sede do poder, a mentira se é capaz de gerar um seguimento comprometido, uma liberdade verdadeira, um discipulado autêntico, uma fé cristã genuína, uma Igreja fiel a Jesus.

Pe. Aureliano de Moura Lima, SDN

Que lugar Jesus ocupa em nossa vida?

aureliano, 18.06.22

12º domingo do TC - C - 19 de junho.jpg

12º Domingo do Tempo Comum [19 de junho de 2022]

[Lc 9,18-24]

O terceiro evangelho (Lucas) narra uma grande caminhada de Jesus para Jerusalém. Em breve (13º domingo) a liturgia vai trazer o início desta caminhada. Para realizarem o discipulado, seus seguidores devem reconhecer sua identidade como o Messias, Filho de Deus, e colocarem-se corajosos e confiantes em seu seguimento até à cruz.

No relato de deste domingo notamos três aspectos que compõem este texto: 1º) Após a oração, um diálogo messiânico com os discípulos. 2º) A predição da paixão. 3º) Um convite ao seguimento radical.

Em primeiro lugar notamos que, no evangelho de Lucas, Jesus sempre toma as decisões depois de um encontro profundo e amoroso com o Pai. Ao perguntar seus discípulos sobre a compreensão que tinham dele, ele o fez depois de um momento orante. Essa relação de intimidade de Jesus com o Pai nos ajuda a perceber a necessidade que temos de realizar, com frequência, esse encontro. Particularmente nos momentos decisivos de nossa história. Sem ele nossa vida cai no vazio, na falta de sentido, e no desvio do cumprimento da vontade do Pai.

Depois, notamos nesse diálogo, uma confusão na compreensão da identidade de Jesus. Nos relatos dos domingos anteriores (Lc 7,11-17; 7,36 – 8,3) vimos a busca de identificar Jesus com “o Profeta”: “Um grande profeta apareceu no meio de nós”, e ainda: “Se este homem fosse um profeta, saberia...”. Hoje o relato diz que alguns identificavam Jesus com “algum dos antigos profetas que ressuscitou”. Por aí se vê, claramente, o desejo de encontrarem aquele “Profeta” prometido (cf. Dt 18,15).

Para nossa alegria Pedro reconhece em Jesus de Nazaré o “Cristo de Deus”. Ele é mais do que um profeta. Nele o Pai se revela, mostrando ao mundo sua bondade e ternura.

Nossa grande dificuldade é a de assumir Jesus de Nazaré como nosso Senhor. Dizer que acreditamos nele e que recorremos a ele nas necessidades é fácil. Mas será que ele é mesmo o centro de nossas celebrações, reuniões, decisões, escolhas? Nossa vida, nossas atitudes revelam o rosto de Jesus?

Em segundo lugar, lemos no evangelho a predição da paixão do Senhor. Os discípulos ainda não tinham entendido a missão de Jesus. Concebiam a Jesus como um líder político que iria livrar a Palestina das garras do poder romano. Jesus quer mostrar-lhes que será rejeitado por parte da liderança político-religiosa do Israel de então. Sua fidelidade incondicional ao Pai vai custar-lhe alto preço. Mas está disposto a enfrentar o sofrimento e a morte para resgatar a humanidade do poder do mal. Encara livremente a realidade de cruz. Há dentro de nós convicções firmes de fé a ponto de enfrentarmos os esquemas de mentira e de maldade pela defesa da verdade, da justiça, da paz? Estamos dispostos a abraçar a cruz com Jesus?

O terceiro elemento do relato de hoje está associado ao segundo: a dimensão da cruz. O discípulo de Jesus não estará isento da cruz. Não há como colocar-se no seguimento de Jesus sem disposição de deixar para trás um modo de vida egoísta, ganancioso, acomodado. Podemos até chamar a Jesus de Mestre. Mas isso não fará nenhum sentido se não nos comportarmos como discípulos seus. O discipulado cristão exige um despojamento constante e uma perseverante atitude de conversão cotidiana: “Tomar a cruz a cada dia”.

Papa Francisco fala do significado e marca da cruz na vida do cristão: “Ninguém pode tocar a Cruz de Jesus sem deixar algo de si mesmo nela e sem trazer algo da Cruz de Jesus para sua própria vida”. E, mais adiante, traz um ensinamento muito interessante: “A Cruz de Cristo também nos convida a deixar-nos contagiar por este amor; ensina-nos, pois, a olhar sempre para o outro com misericórdia e amor, sobretudo quem sofre, quem tem necessidade de ajuda, quem espera uma palavra, um gesto; ensina-nos a sair de nós mesmos para ir ao encontro destas pessoas e lhes estender a mão. Tantos rostos acompanharam Jesus no seu caminho até a Cruz: Pilatos, o Cireneu, Maria, as mulheres... Também nós diante dos demais podemos ser como Pilatos que não teve a coragem de ir contra a corrente para salvar a vida de Jesus, lavando-se as mãos. Queridos amigos, a Cruz de Cristo nos ensina a ser como o Cireneu, que ajuda Jesus levar aquele madeiro pesado, como Maria e as outras mulheres, que não tiveram medo de acompanhar Jesus até o final, com amor, com ternura. E você como é? Como Pilatos, como o Cireneu, como Maria?” (JMJ, 26 de janeiro de 2013).

A confissão de fé em Jesus Salvador pressupõe adesão da mente e do coração. Não valem apenas palavras. Não basta dizer-se cristão. É preciso sê-lo. Ser cristão é Graça e Tarefa: dom de Deus que nos acolheu e adotou como filhos e filhas. Esse dom pede de nós resposta diária comprometida, vital. “Confessamo-lo abertamente como Deus e Senhor nosso, mas às vezes Ele não significa quase nada nas atitudes que inspiram nossa vida. Por isso, é bom ouvir sinceramente sua pergunta: ‘E vós, quem dizeis que eu sou?’ Na realidade, quem é Jesus para nós? Que lugar ele ocupa em nossa vida diária?” (Pe. Antônio Pagola, O caminho aberto por Jesus, p. 150).

Pe. Aureliano de Moura Lima, SDN

O seguimento a Jesus nos reconfigura

aureliano, 26.02.21

2º Domingo da Quaresma [28 de fevereiro de 2021]

 [Mc 9,2-10]

O finalzinho do capítulo 8 de Marcos relata as exigências do seguimento de Jesus: “Se alguém quer vir em meu seguimento, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me”. Em seguida traz o relato da Transfiguração como a convidar o discípulo a dar uma ‘espiadinha’ no céu. É Jesus revelando sua glória a seus discípulos para que confiassem nele: é o Filho de Deus, Salvador.

No último domingo (1º da quaresma), acompanhamos Jesus, levado pelo Espírito ao deserto, sendo tentado pelo adversário do projeto salvífico e libertador do Pai. Na força do mesmo Espírito Jesus venceu o tentador. Aquele tempo de preparação para a sua missão foi árduo. Mas Jesus não se deixou abater. Venceu a tentação que queria desviá-lo da vontade do Pai.

Hoje Jesus sobe a montanha. Se no deserto ele passou pela tentação, aqui ele faz um encontro com o Pai. O Deserto é lugar da prova, da tentação: ouve-se a voz de Satanás. A Montanha é lugar do encontro com o Senhor: ouve-se a voz de Deus. Essa realidade nos remete à doutrina dos “dois caminhos” de que falava a Lei de Moisés: “Eu te proponho a vida ou a morte, a bênção ou a maldição. Escolhe, pois, a vida para que vivas” (cf. Dt 30, 15-20). E também aquela divisão interna que há dentro de nós e que fazia Paulo exclamar: “Querer o bem está ao meu alcance, não, porém, o praticá-lo. Com efeito, não faço o bem que eu quero, mas pratico o mal que não quero” (cf. Rm 7, 14-20).

Na montanha Moisés e Elias se encontraram com Deus e receberam d’Ele as instruções para a sua missão. Por isso o evangelista apresenta essas duas figuras memoráveis do Primeiro Testamento. Moisés representa a Lei e a libertação do povo das mãos do Faraó. Elias representa o profetismo, pois libertou o povo da idolatria que oprimia Israel. Jesus aparece na cena como alguém superior a Moisés e Elias. As roupas brilhantes, o fato de eles estarem conversando com ele, tudo mostra Jesus como centro do relato. Isso significa que Jesus está para além dessas figuras proeminentes do passado: é o “Filho amado do Pai”.

Pedro gostou daquela amostragem do paraíso. Queria ficar por ali. “É bom ficarmos aqui. Façamos três tendas”. Representa o discípulo acomodado, que quer experimentar a Páscoa sem passar pela Sexta-feira da Paixão. Que quer fugir dos embates cotidianos, da luta cotidiana pelo Reino. Quer glória sem cruz. Não quer “descer” a montanha para a missão.

A voz do Pai identifica seu filho: “Este é o meu Filho amado. Escutai o que ele diz!”. É ele que veio oferecer sua vida pela salvação da humanidade. O Pai o entrega, como Abraão outrora entregou seu filho Isaac (cf. Gn 22, primeira leitura da missa de hoje). “Deus, com efeito, amou tanto o mundo que deu o seu Filho, o seu Único, para que todo homem que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (Jo 3, 16). No batismo o Pai se dirige ao próprio filho: “Tu és o meu Filho bem amado” (Mc 1, 11). Aqui o Pai apresenta seu filho ao mundo: “Este é o meu Filho amado”. Aquele que fora consagrado e confirmado no batismo e no deserto, deve ser acreditado, seguido, ouvido. Por isso a insistência: “Escutai-o”. É preciso prestar atenção, ouvir com ouvido de discípulo, a cada manhã (cf. Is 50, 4-5; 55, 3).

“Olhando em volta, não viram mais ninguém, a não ser somente Jesus com eles”. Isto é, os discípulos não têm outro mestre (nem Moisés nem Elias), a não ser Jesus: “Um só é o vosso mestre” (Mt 23, 10).

O relato da transfiguração do Senhor, na liturgia quaresmal, quer ajudar o discípulo de Jesus a firmar-se na fé n’Aquele que será contemplado sem figura de homem na cruz, reconhecendo-o como o Filho de Deus, cheio da beleza divina, por alguns momentos oculta no véu da carne, mas que será manifestada na glória do Pai.

O discípulo deve também, por sua vez, rezar sua própria transfiguração em Cristo. E trabalhar para que os rostos desfigurados pela dor e sofrimento produzidos por uma sociedade que exclui, discrimina, escraviza e mata, que se pauta pela competição e que valoriza a pessoa pelo que tem e não pelo que é, sejam reconfigurados ao rosto do Cristo transfigurado. Na medida em que ajudamos os irmãos sofredores a minimizarem sua dor, estamos transfigurando seu rosto no Cristo ressuscitado.

O dar-se de Cristo pela salvação do mundo, mistério que celebramos em cada Eucaristia, nos move a sair do nosso egoísmo na direção de uma entrega mais generosa e gratuita, tornando mais visíveis os frutos da Eucaristia: fraternidade, simplicidade, alegria, generosidade, solidariedade, partilha, perdão.

---------xxxxx----------

Campanha da Fraternidade 2021:

Ao ultrapassar 250.000 mortes provocadas pela covid-19, num alto grau de contaminação, e constatando-se negacionismo, intolerância, ódio e indiferença por parte daqueles a quem foi atribuído o ministério do serviço político aos mais necessitados através dos recursos do Estado, resta-nos ainda, associados à nossa indignação, rezar com o Cardeal José Tolentino:

Livra-nos deste vírus e de todos os outros.

Livra-nos, Senhor, deste vírus, mas também de todos os outros que se escondem dentro dele.

Livra-nos do vírus do pânico disseminado, que em vez de construir sabedoria nos atira desamparados para o labirinto da angústia.

Livra-nos do vírus do desânimo que nos retira a fortaleza de alma com que melhor se enfrentam as horas difíceis.

Livra-nos do vírus do pessimismo, pois não nos deixa ver que, se não pudermos abrir a porta, temos ainda possibilidade de abrir janelas.

Livra-nos do vírus do isolamento interior que desagrega, pois o mundo continua a ser uma comunidade viva.

Livra-nos do vírus do individualismo que faz crescer as muralhas, mas explode em nosso redor todas as pontes.

Livra-nos do vírus da comunicação vazia em doses massivas, pois essa se sobrepõe à verdade das palavras que nos chegam do silêncio.

Livra-nos do vírus da impotência, pois uma das coisas mais urgentes a aprender é o poder da nossa vulnerabilidade.

Livra-nos, Senhor, do vírus das noites sem fim, pois não deixas de recordar que Tu Mesmo nos colocaste como sentinelas da aurora (Texto-Base da CFE 2021, p. 66).

Pe. Aureliano de Moura Lima, SDN

Tempo, conversão e seguimento

aureliano, 23.01.21

3º Domingo do Tempo Comum [24 de janeiro de 2021]

[Mc 1,14-20]

A liturgia deste domingo nos convida a refletir, isto é, a nos dobrarmos (re-flectere) sobre três elementos constitutivos da caminhada cristã: o tempo, a conversão e o seguimento a Jesus.

No domingo passado, a partir do evangelho de João, refletimos a respeito da vocação, chamado de Deus para a comunhão com ele e para uma missão. O encontro com Jesus é determinante na busca pelo sentido da vida. Quando fazemos com ele um encontro de verdade, nossa vida toma nova direção, novo sentido. E transbordamos para os outros a experiência que fizemos: André chama seu irmão Simão e o apresenta a Jesus (cf. Jo 1, 40-42). Se nossa missão não proceder de um transbordamento da experiência do encontro com o Senhor, não é cristã. Poderá ser vaidade, fanatismo, prepotência, autoengano. Pois a missão não é nossa, mas de Deus (Missio Dei). Vamos conferir como anda a realização da missão que o Senhor nos confiou. Que rastros temos deixado, que tipo de semente temos semeado?

O TEMPO: Na liturgia da palavra de hoje encontramos referências ao tempo. Na primeira leitura, lemos: “dentro de quarenta dias”; na segunda leitura temos: “O tempo está abreviado ... A figura deste mundo passa”; e no evangelho: “O tempo já se completou e o Reino de Deus está próximo”.

Podemos considerar o tempo em três dimensões: o tempo cósmico, regulado pelos ciclos da natureza; o tempo histórico, regulado pelo fluxo dos acontecimentos; e o tempo teológico, vivido à luz da fé num Deus para quem não existe passado nem futuro, mas um eterno presente: “Nasceu para vós, hoje, o Salvador” (cf. Lc 2,11). “Hoje, a salvação entrou nesta casa” (cf. Lc 19,9). “Hoje mesmo estarás comigo no paraíso” (cf. Lc 23,43).

O tempo cósmico, entrelaçado ao tempo histórico, ajuda a perceber os dias e as horas, os acontecimentos que vão determinando novos rumos para a humanidade, novo modo de se relacionar etc. Assim, quando a pessoa vai ficando mais velha, vai percebendo que fica mais limitada e precisa se relacionar com a natureza e com as pessoas de modo diferente. Percebe que a juventude se foi. Já para o jovem trabalhador ou estudante, a dinâmica se dá de modo diferente. Precisa correr contra o tempo para não “sobrar”.

Do ponto de vista da história, com o passar do tempo, os acontecimentos na política, na economia, na cultura vão modificando as relações. Elementos novos vão surgindo e medidas novas precisam ser tomadas para que a história se construa de maneira a ajudar o ser humano a encontrar sentido para sua vida. Fazendo memória da política brasileira podemos identificar onde estão as forças perversas e geradoras de morte: desvio dos recursos destinados ao combate do corona vírus; falta de empenho na produção e compra da vacina; falta de cuidado com os acometidos pela enfermidade; falta de política de combate ao desemprego; destruição do meio ambiente etc. Olhando para a história de nossa Igreja podemos ver aí os sinais de vida trazidos pela renovação do Concílio Vaticano II e as forças retrógradas insistindo em “voltar atrás”. Culturalmente falando vivemos um momento terrível: se, por um lado, crescem os avanços da técnica e da ciência, por outro, paradoxalmente, a perplexidade diante do futuro aumenta, pois a vida está sempre mais ameaçada.

Minha intenção é ressaltar o tempo chamado pelos gregos de kairós: tempo sem medida, sem relógio, tempo de Deus. O tempo teológico. Aqui não prevalecem dias, meses ou anos, mas a experiência de Deus que cada um faz. É um tempo que não comporta quantificação. Neste tempo a pessoa pode viver 80 anos ou mesmo 10 anos: não contam os anos, nem tampouco conhecimento, dinheiro, bens, poder. O que conta é a vida vivida em Deus e a partir d’Ele.

A CONVERSÃO: Chegou o tempo de Deus. Jesus quer dar um novo sentido à vida humana. Por isso ele convida à conversão. Converter-se é mudar de direção quando o rumo que encetamos  não confere com o projeto de Jesus. Converter-se é convergir a atenção e as forças para uma única direção: o Reino de Deus. É sair da dispersão que desperdiça as energias em muitas coisas que prejudicam o crescimento do Reino de Deus. Então aqui o tempo é breve: não se pode esperar muito. Não se trata de deixar para mudar de vida quando estiver mais velho, quando estiver aposentado, quando não tiver mais forças para continuar numa vida depravada ou perversa. Seria causar um enorme prejuízo ao Reino. Deus precisa de nossas forças, de nossas energias bem empregadas para fazer o Reino acontecer.

No próximo dia 25 celebramos a festa da Conversão de São Paulo. Um motivo a mais para repensarmos nossa vida, as possibilidades que o Senhor nos dá e empregá-las sempre para o bem do próximo. Para isto é preciso abertura de coração, coragem de mudar, abertura ao novo, ao inesperado de Deus que vem a nós, por vezes, através de um irmão ou acontecimento que nos surpreende. - De que preciso me converter? O que preciso mudar em minha vida para que eu seja mais fraterno, mais manso, mais amável, mais misericordioso, mais tolerante, mais justo, mais respeitoso? De que me acusa minha consciência?

O SEGUIMENTO: Jesus quer contar com colaboradores para revelar seu Reino ao mundo (re-velar é tirar o véu da maldade e do pecado que retardam a realização do Reino). Jesus é o profeta de Deus. Os sinais milagrosos que realiza servem para mostrar que Deus está com ele. Jesus não veio para fazer milagres, mas para mostrar que Deus nos ama e quer que participemos ativamente de seu projeto de amor.

Ao chamar os primeiros discípulos, conforme o evangelho de hoje relata, Jesus mostrou que não queria trabalhar sozinho. Ele quis contar com colaboradores. E estes deviam fazer alguns cortes em sua vida. Deviam se converter, tomar um novo rumo. Mudar de horizonte e de foco. Por isso deixam redes, barcas e família. Não temos nesse mundo morada permanente. “Os que têm mulher vivam como se não a tivessem” (1Cor 7,29). A vida do cristão deve ser vivida de modo kairológico, no tempo de Deus, para Deus.

Ao libertar o endemoninhado, Jesus mostra que Deus nos quer livres de todo mal que nos oprime e que é superior às nossas forças. Por isso precisamos da força de Deus manifestada em Jesus. Vivendo em comunidade, enfrentemos o mal na força e na palavra de Jesus. A conversão nos introduz na dinâmica de Jesus, de maneira que nosso modo de viver vai dando um novo jeito de ser ao mundo que nos cerca. As forças da maldade vão se dissipando pela presença da Graça e da Luz de Deus. Quando não revidamos com violência uma palavra ou atitude ofensiva. Quando não nos deixamos levar pela ganância. Quando nos solidarizamos com o sofrimento do ser humano e fazemos algo para lhe aliviar a dor, seja com atitudes individuais, seja organizando e somando forças para conseguir melhorias para a rua, o córrego, o bairro, a escola, o posto de saúde etc. É para isso que o Senhor nos chama e conta conosco.

Estes três elementos que destacamos na liturgia da Palavra de hoje querem nos ajudar a perceber que a vida é dom de Deus e deve ser vivida de tal maneira que ela seja um sinal do amor de Deus no mundo. Vivendo assim experimentaremos a alegria de viver, mesmo em meio a sofrimentos. Estes serão convertidos em fonte de vida, porque unidos à vida de Jesus.

Pe. Júlio Maria, fundador de nossa Congregação Sacramentina, procurou fazer de sua vida um dom. Um homem que fez dos 66 anos de vida um Kairós, um tempo de Deus e para Deus no serviço aos irmãos e irmãs, tornando-se, assim, uma inspiração para nossa vida cristã.

O tempo é breve. A figura deste mundo passa. Então façamos o bem enquanto é tempo.

Pe. Aureliano de Moura Lima, SDN

As consequências da fé cristã

aureliano, 14.09.18

24º Domingo do TC - 16 de setembro.jpg

24º Domingo do Tempo Comum [16 de setembro 2018]

   [Mc 8,27-35]

O texto do evangelho para esse final de semana reflete um divisor de águas na vida de Jesus. O autor sagrado escreve de tal maneira que mostra, até aqui, que Jesus é o Messias libertador. As curas que realiza indicam a sua missão: proclamar o Reinado de Deus. O desfecho é o reconhecimento de que Jesus é o Filho de Deus. Porém não pode ser revelado como tal, pois a comunidade ainda não está preparada para entender a que veio e o que o espera pela frente. Na segunda parte do evangelho (Mc 8,31ss), Marcos desenvolve a sorte que esperava Jesus e, consequentemente, seu discípulo: a cruz. Não veio para triunfos e glórias humanas, mas para entregar sua vida ao Pai pela salvação da humanidade. Na conclusão da segunda parte encontramos a profissão de fé do centurião: “Verdadeiramente este homem era o Filho de Deus” (Mc 15,39).

Na primeira parte do evangelho de hoje notamos Jesus fazendo uma espécie de ‘enquete’ a respeito da opinião que tinham dele. As respostas foram variadas. De qualquer forma entendiam que Jesus era uma pessoa que se poderia identificar com personagens significativos da história precedente de Israel. Os discípulos, porém tinham uma compreensão mais apurada de Jesus. Embora Pedro, em nome do grupo, confesse: “Tu és o Messias”, ainda não tinha plena noção do alcance dessas palavras. É que a fé em Jesus incide na vida do crente: o discípulo de Jesus deve procurar conformar sua vida com a do Mestre.

Ao proibir que se publique aquela profissão de fé, Jesus pretende preservar o chamado “segredo messiânico”. É uma característica do Evangelho de Marcos. A população (judaica) da época esperava um Messias com poder político para libertá-los do poder opressor dos romanos. De modo que a compreensão correta da pessoa e missão de Jesus se daria somente depois de sua morte. Na ressurreição os discípulos verão que o Pai está com ele.

Quando Jesus começa a orientar e prevenir seus discípulos sobre o que o esperava, Pedro parece não ter escutado as palavras: “ressuscitar depois de três dias”. Parecia ter aquela ideia que está muito presente no povo de modo geral: “Não se pode perder o voto... Então, deve-se votar em quem tem mais chances de ganhar”. Estar ao lado de um Messias derrotado, crucificado, jamais! Jesus então lhe diz com firmeza: “Vai para trás de mim, Satanás!”. Ou seja, coloque-se atrás de mim, no meu seguimento, carregando sua cruz, como discípulo! Ao chamá-lo de ‘satanás’, Jesus quer dizer que ele se coloca como um Adversário do projeto do Pai. Um opositor do caminho que Jesus deve trilhar. Suas ideias estão na contramão do querer do Pai.

Entenda-se bem: o Pai não queria que seu Filho sofresse na cruz. Deus não é sado-masoquista. O texto quer evidenciar que o Filho devia levar às últimas consequências o projeto da salvação da humanidade que o Pai lhe confiara. Se esse caminho passaria pela rejeição e pela cruz, então o Filho deveria enfrentar também isso. A grande prova de que o Pai não queria a destruição de seu Filho e aprovava a sua vida foi a Ressurreição: o mal e a morte não prevalecem! O Filho saiu vencedor!

A grande lição para nós: Para ser discípulo de Jesus é preciso segui-lo no caminho da cruz, isto é, da entrega, do amor generoso, da oferta da vida, da contestação de uma sociedade baseada no lucro, na fama, no sucesso, no consumismo, no poder, na posse de bens. Assumir uma vida de partilha, de solidariedade com os pobres, de serviço generoso. Uma cruz geradora de vida nova. Não basta dizer que acreditamos em Jesus. Palavras voam (Verba volant). Uma existência impregnada pelo Mistério de Cristo é que se torna indicativo de que acreditamos n’Ele. Para compreendermos o mistério de Cristo precisamos entrar nele. Não se trata de colocar o Mistério dentro de nossa cabeça (com-preender). Isso seria tentativa de reduzi-lo à pura racionalidade. Mas é preciso en-tender, isto é, mergulhar dentro dele. Numa expressão teologicamente mais adequada: deixar-nos tomar por ele. Só então o compreenderemos.

Algumas considerações: Não poucas vezes nossa catequese insiste em ritos, em fórmulas, em práticas ultrapassadas de piedade, em determinadas obrigações legais, em doutrinação, em dinâmicas vazias. E trabalha pouco o mais importante: o seguimento de Jesus. Nossa identidade cristã deve ser construída à volta de Jesus. Ser cristão é bem mais do que ser batizado, crismado, casado na igreja, frequentador de missa. É bem mais do que organizar a festa do santo padroeiro da paróquia, ou se dar bem com o padre, ou assumir um ‘cargo’ na comunidade. Ser cristão é seguir Jesus no caminho do amor, da oferta da vida, como os santos: São Maximiliano kolbe, Pe. Júlio Maria, Madre Teresa de Calcutá, São Francisco de Assis etc. O cristão é aquele que faz de Jesus a referência fundamental de sua vida. Ser cristão é renunciar a si mesmo e tomar a mesma cruz de Jesus a cada dia.

Renunciar a si mesmo é não permitir que o egoísmo, o orgulho, o comodismo, o consumismo, a ganância de ter sempre mais, a autossuficiência, a mentira dominem nossa vida. O seguidor de Jesus não vive fechado no seu cantinho, a olhar para si mesmo, indiferente aos dramas que se passam à sua volta, insensível às necessidades dos irmãos, alheio às lutas, reivindicações e lágrimas dos sofredores. O seguidor de Jesus vive para Deus, na solidariedade, na partilha e no serviço aos irmãos. Ao ver a notícia de que no Brasil há cinco milhões de pessoas passando fome e treze milhões de desempregados, se sensibiliza, se mexe, deixa-se tocar. Isso significa “tomar a cruz” e “seguir a Jesus”.

Nossa fé, no dizer de Tiago (Tg 2,14-18), precisa ser comprovada pela nossa prática de vida. De que adianta dizer que temos fé, que praticamos a religião, se nossas atitudes não correspondem àquilo que professamos na igreja? “Tu, mostra-me a tua fé sem as obras, que eu te mostrarei a minha fé pelas obras!”. Não são as obras que nos garantem a salvação, pois esta é dom, é graça de Deus para nós. Mas as obras garantem que nós acolhemos a salvação que Deus nos deu. Elas mostram que somos gratos pela salvação e que somos colaboradores de Deus para que outras pessoas experimentem também esse dom maravilhoso que o Pai nos deu em Jesus Cristo.

Em síntese: renunciarmos aos projetos que se opõem ao Reinado de Deus; acolhermos de coração os sofrimentos que podem advir do fato de assumirmos a causa de Jesus.

Pe. Aureliano de Moura Lima, SDN

Tempo, conversão e seguimento

aureliano, 19.01.18

3º Domingo TC - B.jpg

3º Domingo do Tempo Comum [21 de janeiro de 2018]

[Mc 1,14-20]

A liturgia deste domingo nos convida a refletir, isto é, a nos dobrarmos (re-flectere) sobre três elementos constitutivos da caminhada cristã: o tempo, a conversão e o seguimento a Jesus.

No domingo passado, a partir do evangelho de João, refletimos a respeito da vocação, chamado de Deus para a comunhão com ele e para uma missão. O encontro com Jesus é determinante na busca pelo sentido da vida. Quando fazemos com ele um encontro de verdade, nossa vida toma nova direção, novo sentido. E transbordamos para os outros a experiência que fizemos: André chama seu irmão Simão e o apresenta a Jesus (cf. Jo 1, 40-42). Se nossa missão não proceder de um transbordamento da experiência do encontro com o Senhor, não é cristã. Poderá ser vaidade, fanatismo, prepotência, autoengano. Pois a missão não é nossa, mas de Deus (Missio Dei). É bom conferir como anda a realização da missão que o Senhor nos confiou. Que rastros temos deixado, que tipo de semente temos semeado?

O TEMPO: Na liturgia da palavra de hoje encontramos referências ao tempo. Na primeira leitura, lemos: “dentro de quarenta dias”; na segunda leitura temos: “O tempo está abreviado ... A figura deste mundo passa”; e no evangelho: “O tempo já se completou e o Reino de Deus está próximo”.

Podemos considerar o tempo em três dimensões: o tempo cósmico, regulado pelos ciclos da natureza; o tempo histórico, regulado pelo fluxo dos acontecimentos; e o tempo teológico, vivido à luz da fé num Deus para quem não existe passado nem futuro, mas um eterno presente: “Nasceu para vós, hoje, o Salvador” (cf. Lc 2,11). “Hoje, a salvação entrou nesta casa” (cf. Lc 19,9). “Hoje mesmo estarás comigo no paraíso” (cf.Lc 23,43).

O tempo cósmico, entrelaçado ao tempo histórico, ajuda a perceber os dias e as horas, os acontecimentos que vão determinando novos rumos para a humanidade, novo modo de se relacionar etc. Assim, quando a pessoa vai ficando mais velha, vai percebendo que fica mais limitada e precisa se relacionar com a natureza e com as pessoas de modo diferente. Percebe que a juventude se foi. Já para o jovem trabalhador ou estudante, a dinâmica se dá de modo diferente. Precisa correr contra o tempo para não “sobrar”.

Do ponto de vista da história, com o passar do tempo, os acontecimentos na política, na economia, na cultura vão modificando as relações. Elementos novos vão surgindo e medidas novas precisam ser tomadas para que a história se construa de maneira a ajudar o ser humano a encontrar sentido para sua vida. Fazendo memória da política brasileira podemos identificar onde estão as forças perversas e geradoras de morte. Olhando para a história de nossa Igreja podemos ver aí os sinais de vida trazidos pela renovação do Concílio Vaticano II e as forças retrógradas insistindo em “voltar atrás”. Culturalmente falando vivemos um momento terrível: se a técnica e a ciência avançam por um lado, por outro, paradoxalmente, aumenta-se a perplexidade diante do futuro, pois a vida está sempre mais ameaçada.

Interessa-me, mesmo, o tempo chamado pelos gregos de kairós: tempo sem medida, sem relógio, tempo de Deus. O tempo teológico. Aqui não prevalecem dias, meses ou anos, mas a experiência de Deus que cada um faz. É um tempo que não comporta quantificação. Neste tempo a pessoa pode viver 80 anos ou mesmo 10 anos: não se contam os anos, nem tampouco conhecimento, dinheiro, bens, poder. O que conta é a vida vivida em Deus e a partir dEle.

A CONVERSÃO: Chegou o tempo de Deus. Jesus quer dar um novo sentido à vida humana. Por isso ele convida à conversão. Converter-se é mudar de direção quando o rumo que encetamos  não confere com o projeto de Jesus. Converter-se é convergir a atenção e as forças para uma única direção: o Reino de Deus. É sair da dispersão que desperdiça as energias em muitas coisas que prejudicam o crescimento do Reino de Deus. Então aqui o tempo é breve: não se pode esperar muito. Não se trata de deixar para mudar de vida quando estiver mais velho, quando estiver aposentado, quando não tiver mais forças para continuar numa vida depravada ou perversa. Seria causar um enorme prejuízo ao Reino. Deus precisa de nossas forças, de nossas energias bem empregadas para fazer o Reino acontecer.

No próximo dia 25 celebramos a festa da Conversão de São Paulo. Um motivo a mais para repensarmos nossa vida, as possibilidades que o Senhor nos dá e empregá-las sempre para o bem do próximo. Para isto é preciso abertura de coração, coragem de mudar, abertura ao novo, ao inesperado de Deus que vem a nós, por vezes, através de um irmão ou acontecimento que nos surpreende. - De que preciso me converter? O que preciso mudar em minha vida para que eu seja mais fraterno, mais manso, mais amável, mais misericordioso, mais tolerante, mais justo, mais respeitoso? De que me acusa minha consciência?

O SEGUIMENTO: Jesus quer contar com colaboradores para revelar seu Reino ao mundo (re-velar é tirar o véu da maldade e do pecado que retardam a realização do Reino). Jesus é o profeta de Deus. Os sinais milagrosos que realiza servem para mostrar que Deus está com ele. Jesus não veio para fazer milagres, mas para mostrar que Deus nos ama e quer que participemos ativamente de seu projeto de amor.

Ao chamar os primeiros discípulos, conforme o evangelho de hoje relata, Jesus mostrou que não queria trabalhar sozinho. Ele quis contar com colaboradores. E estes deviam fazer alguns cortes em sua vida. Deviam se converter, tomar um novo rumo. Mudar de horizonte e de foco. Por isso deixam redes, barcas e família. Não temos nesse mundo morada permanente. “Os que têm mulher vivam como se não a tivessem” (1Cor 7,29). A vida do cristão deve ser vivida de modo kairológico, no tempo de Deus, para Deus.

Ao libertar o endemoninhado, Jesus mostra que Deus nos quer livres de todo mal que nos oprime e que é superior às nossas forças. Por isso precisamos da força de Deus manifestada em Jesus. Vivendo em comunidade, enfrentemos o mal na força e na palavra de Jesus. A conversão nos introduz na dinâmica de Jesus, de maneira que nosso modo de viver vai dando um novo jeito de ser ao mundo que nos cerca. As forças da maldade vão se dissipando pela presença da Graça e da Luz de Deus. Quando não revidamos com violência uma palavra ou atitude ofensiva. Quando não nos deixamos levar pela ganância. Quando nos solidarizamos com o sofrimento do ser humano e fazemos algo para lhe aliviar a dor, seja com atitudes individuais, seja organizando e somando forças para conseguir melhorias para a rua, o córrego, o bairro, a escola, o posto de saúde etc. É para isso que o Senhor nos chama e conta conosco.

Estes três elementos que destacamos na liturgia da Palavra de hoje querem nos ajudar a perceber que a vida é dom de Deus e deve ser vivida de tal maneira que ela seja um sinal do amor de Deus no mundo. Vivendo assim experimentaremos a alegria de viver, mesmo em meio a sofrimentos. Estes serão convertidos em fonte de vida, porque unidos à vida de Jesus.

Pe. Júlio Maria, fundador de nossa Congregação Sacramentina, procurou fazer de sua vida um dom. Um homem que fez dos 66 anos de vida um Kairós, um tempo de Deus e para Deus no serviço aos irmãos, tornando-se, assim uma inspiração para nossa vida cristã.

O tempo é breve. A figura deste mundo passa. Então façamos o bem enquanto é tempo.

Pe. Aureliano de Moura Lima, SDN

Que significa “tomar a cruz”?

aureliano, 01.09.17

carregar a cruz.jpg

22º Domingo do Tempo Comum [03 de setembro de 2017]

[Mt 16,21-27]

Estamos no capítulo 16 de Mateus, exatamente no momento posterior à profissão de fé de Pedro: “Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo”. Se antes era “bem-aventurado” (“Bem-aventurado és tu, Simão, filho de Jonas...”), agora Pedro é cognominado de “satanás”: “Afasta-te de mim, Satanás! Tu me serves de pedra de tropeço, porque não pensas as coisas de Deus, mas as dos homens” (Mt 16,23). Essa contradição no texto de Mateus sugere algumas possíveis interpretações: revela que Pedro proclamava o Messias Salvador pela força do Espírito, sem compreender ainda o que dizia; também pode ser algo revelador da fragilidade de Pedro, que não conseguiu manter-se firme diante da cruz; pode ainda expressar uma exaltação da instituição eclesial pela comunidade, tardiamente; segundo alguns autores, parece demonstrar a dificuldade que a Igreja tinha, representada na pessoa de Pedro, em assumir a cruz, a perseguição por causa do Evangelho.

Bem. Para além das questões exegéticas, muito embora importantes para fiel interpretação do texto, queremos que o relato que proclamamos hoje seja uma luz para nossa vida cristã. E um fato, sem dúvida, norteador do episódio de hoje é a cruz.

A cruz era o instrumento de suplício que os romanos aplicavam aos revoltosos contra o regime imperial. Era o pior castigo que uma pessoa podia receber: afixados à cruz, nus, à beira do caminho para que todos pudessem ver e se intimidar, deixados por lá até à morte. Muitos eram devorados pelas aves de rapina. A crucifixão, segundo o historiador Flávio Josefo, era um horror.

Quando Jesus fala da cruz como projeto de vida, ele não quer dizer com isso que gosta de ver seu discípulo sofrer; muito menos que ele mesmo quer sofrer. Seria uma insanidade! Jesus não é masoquista, nem paranoia. Quer apenas dizer que o projeto do Pai que ele veio anunciar e realizar não visa ao sucesso, à realização pessoal apenas, mas implica rejeição, perseguição, dor e morte produzidas pela ganância de poder e de ter que pervade a sociedade. Em outras palavras, o seguimento de Jesus implica cruz por ser um projeto de vida num mundo imbuído de um projeto de morte. “Quem quiser salvar a sua vida, vai perdê-la, mas quem perder a sua vida por causa de mim, vai encontrá-la”. Deus não quer ‘sacrificar’ as pessoas (isso já o faz a sociedade idolátrica), mas quer testemunhas de seu projeto: mostrar que Deus ama a humanidade e quer que todos vivam esse amor.

Por vezes confundimos a cruz com qualquer desgraça que acontece na vida ou mal-estar produzido pelo nosso próprio pecado. Jesus não está falando desse tipo de sofrimento. Tomar a cruz aqui significa assumir nossa profissão de fé, encarnar na vida as palavras e atitudes de Jesus. Seria um erro confessar a Jesus “Filho do Deus vivo” e negá-lo na vida cotidiana.

Tomar a cruz é assumir a atitude cristã de doar-se, de deixar-se seduzir pelo amor de Jesus (cf. Jr 20,7), assumindo uma atitude de combate ao consumismo, à ambição, à destruição da mãe Terra (vejam o que o Governo Federal está fazendo com as reservas ambientais – RENCA!), à violência contra as crianças, adolescentes e jovens, à violência e desrespeito às mulheres, ao desprezo e desrespeito para com os idosos.

Tomar a cruz é assumir na própria vida os sentimentos de Jesus. Olhar as pessoas com o olhar de Jesus, acolhendo as diferenças, aceitando com serenidade as críticas, enfrentando e vencendo os preconceitos, tendo coragem de andar na contramão da história por causa de Jesus. É estar atento àqueles que passam por dificuldades e colocar-se ao lado deles. “Ele (Jesus) sempre se mostrou cheio de misericórdia pelos pequenos e pobres, pelos doentes e pecadores, colocando-se ao lado dos perseguidos e marginalizados” (Prefácio da Oração Eucarística VI - D).

É assumir posturas e projetos que defendem a vida contra os projetos de morte. É renovar nossa maneira de ver e de julgar; renovar nossa mentalidade, deixando de pensar e de viver a lógica do mundo enquanto é injusto, ganancioso, mentiroso, perverso e enganador, para fazer a vontade de Deus (cf. Rm 12,2).

Assumir a cruz de cada dia é o nosso culto espiritual (cf. Rm 12,1). Numa nova mentalidade, pensar como Deus e não como os homens (Mt 16,23).     Isso é tarefa para todos os dias da vida!

Pe. Aureliano de Moura Lima, SDN

Decisão e Seguimento

aureliano, 24.06.16

13º Domingo do Tempo Comum [26 de junho de 2016]

[Lc 9,51-62]

O evangelho de Lucas descreve Jesus numa longa caminhada para Jerusalém. Ali ele vai entregar sua vida. Ressuscitado, enviará seus discípulos para a missão até os confins da terra. Sua missão terrestre termina em Jerusalém. E a missão da Igreja (recebida de Jesus) também começa aí.

No relato do evangelho do domingo passado (Lc 9, 18-24) vimos o diálogo sobre a identidade de Jesus, a predição de sua paixão e o convite ao discipulado com a cruz. Continuando o relato, notamos que Jesus, a partir de então, não será mais apresentado como “profeta”, pois agora sabem que ele é o “Cristo de Deus”. A partir de agora surgirão as resistências e rejeições às suas ações e palavras.

Dizer que Jesus tomou a “firme decisão” (“endureceu a face”, numa tradução literal) de subir a Jerusalém, indica que ele previa que, para ser fiel ao Pai, precisava decidir por Ele, estar disposto a enfrentar a perseguição, a cruz, a morte. O prenúncio da resistência já se manifesta na rejeição que os samaritanos fazem aos seus enviados.

Se no Primeiro Testamento aparece a figura de um Deus que castiga seus opositores, aqui é clara a nova compreensão que Jesus deseja incutir em seus discípulos. Eles querem empregar a Lei do Talião: “Senhor queres que mandemos descer fogo do céu para destruí-los?”. Agora, em Jesus, é preciso “oferecer a outra face”. Não se pode pedir a destruição dos opositores num uso e abuso de poder. Na dinâmica de Jesus o poder está sempre a serviço da paz e da fraternidade.

Nestes primeiros versículos Jesus nos ensina que o cumprimento da vontade do Pai implica firmeza na decisão. As correntes contrárias são muito mais fortes do que nós. Se não firmarmos o rosto na direção de Deus, dispostos a “bofetões e cusparadas” (cf. Is 50,6), certamente vamos desanimar, ou entrar nas ondas do mal. Jesus não está interessado em mais seguidores, mas seguidores comprometidos, capazes de renunciar às falsas seguranças do dinheiro e do poder e se entregarem ao serviço do Reino de Deus.

No caminho para Jerusalém aparecem três situações que merecem ser contempladas:

  1. Alguém quer seguir a Jesus. Sua resposta é radical: “O Filho do Homem não tem onde reclinar a cabeça”. Jesus não oferece bem-estar a seus seguidores. Quem estiver em busca de segurança, de dinheiro, de reconhecimento, de fama, de sucesso não serve para segui-lo. A religião trazida por Jesus não é lugar de refúgio contra os males do mundo, mas um espaço de encontro e de intimidade com o Senhor que nos toma pela mão e nos coloca em vulnerabilidade para que “todos tenham vida” (Jo 10,10). É na fraqueza que a força se manifesta (cf. 2Cor 12,9). Todos sabemos aonde leva os apegos excessivos aos bens e às pessoas: desencontro, rixa, assassinato, guerra, ódio, divisão, pranto e lágrima.
  2. Nesta outra cena Jesus é quem chama: “Segue-me”. Mas o moço queria primeiro enterrar o pai. A resposta de Jesus é desconcertante: “Deixe que os mortos enterrem seus mortos; mas tu vai anunciar o Reino de Deus”. Jesus alerta para aquelas situações de apego à família quando esta é empecilho para o serviço ao Reino de Deus. Ninguém deve retardar ou frear o serviço de Deus. Os “mortos”, aqueles que vivem em função de si mesmos, não podem impedir o serviço à vida. Aqui há um aceno à primeira leitura: Eliseu pediu para “beijar o pai e a mãe” e depois seguir a Elias (cf. 1Rs 19,20). Jesus radicaliza: o Reino de Deus não admite adiamento, procrastinação.
  3. Nesta terceira cena, outro se oferece para segui-lo, mas com a condição de, primeiro, despedir-se dos seus familiares. A resposta de Jesus mostra que, para segui-lo, é preciso olhar para frente: “Quem põe a mão no arado e olha para trás, não está apto para o Reino de Deus”. Por vezes é preciso contrariar os próprios familiares para nos mantermos fiéis ao Evangelho. Este deve ser a regra máxima de nossa vida: nos negócios, na relação com o dinheiro, na construção da família, nas relações de trabalho, nas relações de amizade, nas opções políticas. Este relato remete-nos também à primeira leitura de hoje, pois faz referência à lavra de terra com junta de bois (1Rs 19,19). Jesus vai além: não usa da violência de Eliseu que sacrificou os bois e nem permite que primeiro se despeça dos familiares. Ou seja, é preciso olhar para frente, ter audácia para seguir os passos de Jesus. É a necessidade de superação de uma religião estática, presa ao passado. Um olhar para frente, com criatividade, com esperança.

O relato do evangelho deste domingo nos faz notar que Jesus desejou constituir um grupo de discípulos. Não se preocupa em ensinar-lhes doutrina, mas torná-los seus seguidores. A profissão deles de agora em diante é a de serem anunciadores de um novo modo de vida. Por isso devem abandonar o modo de vida anterior. Ao sentir-se chamado, cada um deve tomar uma decisão firme. A primeira atitude é a profissão de fé, o reconhecimento de que Jesus é o “Cristo de Deus”. Uma vez que Jesus é reconhecido como Aquele em quem o discípulo deposita sua fé (cf. 2Tm 1,12), este deve se desprender dos bens materiais, do prazer mundano, do poder pelo poder, do apego ao dinheiro, da busca de si mesmo  para viver a liberdade dos filhos de Deus: “É para a liberdade que Cristo nos libertou” (Gl 5,1.13).

Somente pela ruptura com as forças do mal: a mentira, o ódio, o preconceito, o mundanismo perverso, a sede do poder, se é capaz de gerar um seguimento comprometido, uma liberdade verdadeira, um discipulado autêntico, uma fé cristã genuína, uma Igreja fiel a Jesus.

Pe. Aureliano de Moura Lima, SDN