Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

aurelius

aurelius

A vinha é de Deus, não é nossa!

aureliano, 06.10.23

27º Domingo do TC - A - 04 de outubro.jpg

27º Domingo do Tempo Comum [08 de outubro de 2023]

[Mt 21,33-43]

Esta é a segunda parábola a respeito da rejeição da Graça por parte daqueles que são eleitos de Deus em primeiro lugar. Movidos por desejos egoístas, talvez prefiram dizer não. No evangelho do domingo passado (Mt 21,30), o filho respondeu: “Sim, senhor, eu vou”. Mas não foi. Hoje a vinha é dada aos primeiros, que não reconhecem o direito do patrão sobre os frutos, matando inclusive o filho, o herdeiro enviado.

A reflexão recai de novo sobre aqueles que recebem mais, aqueles que são os primeiros responsáveis, agraciados com a eleição e o convite para trabalhar na vinha e fazê-la produzir. É a liderança que se apropria daquilo que é dom. Ao invés de trabalhar para o Dono, se faz dono daquilo que lhe foi “arrendado”, ou seja, lhe foi dado para cultivar e produzir frutos.

Pode nos ajudar a entender esse sentido da parábola a constatação de maridos ou pais que tratam a mulher e os filhos como ‘coisa’, propriedade, objeto de uso ou mão de obra barata. Também aquela situação em que o coordenador da comunidade ou da pastoral, ou mesmo o padre, se faz senhor do que lhe foi confiado como serviço. Ou ainda o administrador de patrimônio público que exerce o cargo como dono dos bens que lhe foram confiados para administrar em favor dos mais pobres. Faz-se dono das pessoas, quando deveria fazer-se servo... Isto acontece quando o cargo é assumido como dominação e o dinheiro assume o lugar de Deus!

O povo de Israel é a “vinha de Deus”. Porém recusa-se a entregar a parte ao patrão que é Deus. Quando este envia o Filho, matam-no, com o desejo de se apoderar de sua herança: “É o herdeiro; matemo-lo para tomarmos posse de sua herança”. Mas o Deus providente lhes tira a vinha para entregá-la a outro povo.

Os primeiros a serem rejeitados são os profetas. O herdeiro é o Filho que o Pai envia, a pedra rejeitada que se torna a “pedra angular”. Porém Deus fundou um “novo povo” sobre essa “pedra”. Deus não rejeitou os judeus, como não rejeita ninguém. Ele rejeita a liderança que se apropria da religião, das leis e escraviza o povo. O novo povo que Jesus funda é a Igreja, comunidade de seus seguidores, que recebe a missão de continuar sua obra salvadora e libertadora.

Sabemos, porém que a Igreja, novo Povo de Deus, corre o risco de querer guardar os frutos da vinha para si. É a tentação do poder: querer dominar, tirar proveito da boa fé do povo, querer dominar as pessoas com uma religião mágica, com normas e leis que são mais rédeas de controle do que orientações de vida. É preciso que ela sempre se volte para Jesus, a Pedra Angular, e se coloque como servidora, trabalhadora na vinha de Deus. Os frutos são de Deus, as pessoas são de Deus, o resultado é de Deus. À Igreja compete colocar-se como humilde servidora do Reino que é muito maior do que ela. A Igreja é um instrumento de Deus para ajudar as pessoas a fazer a experiência de Deus, a se encontrar com Deus e assumir uma vida nova em Deus.  É preciso ter a coragem de morrer como e com Cristo para gerar vida nova.

Esta parábola não tem o fito de revelar um Deus vingativo, rigoroso, cobrador. Não! Este relato quer levar o discípulo, sobretudo a liderança religiosa a reconhecer que Jesus é o dom do Pai, revelador do rosto misericordioso de Deus. E esse reconhecimento leva a produzir muitos e bons frutos.

*A propósito do evangelho de hoje que nos ajuda a rezar a missão da Igreja, queremos convidar os irmãos e irmãs a se colocarem em sintonia com o Sínodo sobre a Sinodalidade, que está acontecendo em Roma. O Papa Francisco convida à abertura ao Espírito Santo a fim de que ele nos indique os caminhos e instrumentos de que nos serviremos para uma evangelização eficaz. “E este é o dever primário do Sínodo: centrar de novo o nosso olhar em Deus, para sermos uma Igreja que olha, com misericórdia, a humanidade. Uma Igreja unida e fraterna – ou pelo menos procura ser unida e fraterna –, que escuta e dialoga; uma Igreja que abençoa e encoraja, que ajuda quem busca o Senhor, que excita benevolamente os indiferentes, que abre caminhos para iniciar as pessoas na beleza da fé. Uma Igreja que tem Deus no centro e, consequentemente, não se divide internamente e nunca é dura externamente. Uma Igreja que arrisca com Jesus. É assim que Jesus quer a Igreja, assim quer Ele a sua Esposa” (Homilia do Papa Francisco na abertura do Sínodo 2023).

**Lembramos que estamos no mês missionário. É bom refletirmos sobre nossa responsabilidade missionária. Agirmos como instrumentos de Deus na história. O missionário não fica de braços cruzados “olhando a banda passar”, não. Ele vê e age. Missionário incomoda-se com a realidade de dor e sofrimento do povo; com a exploração e humilhação das pessoas; com os maus tratos feitos à Mãe Terra; com um poder político que usa a máquina do Estado para explorar, roubar, tirar os direitos dos pobres e trabalhadores honestos. Missionário coloca-se como voz, coração e mãos de Deus no mundo. É um continuador das ações de Jesus. Quiçá programar uma visita, participar de uma pastoral, prestar um serviço voluntário em alguma instituição de caridade, apoiar movimentos populares que defendem os direitos dos pequeninos do Reino... É preciso cuidar da Vinha de Deus, pois a qualquer hora o Senhor virá acertar as contas. Afinal de contas “a vida é missão”! Vamos nessa!

***No último dia 04 celebramos São Francisco de Assis. Uma historinha de Francisco para iluminar nossa missão: Certa vez, S. Francisco pediu a um Irmão, chamado Leão: “Frei Leão, vamos fazer uma pregação?” “Sim”, respondeu o Irmão.

Os dois saíram caminhando pelas ruas de Assis. Andaram, andaram... Mas nunca chegavam ao local da tal pregação.

Por fim, começaram a voltar para casa. Quando estavam chagando, Frei Leão perguntou: “Frei Francisco, e a pregação?” “Já a fizemos”, respondeu ele.

A palavra convence, o exemplo arrasta. A simples caminhada deles, um ao lado do outro, conversando com alegria e amizade, foi a pregação.

Pe. Aureliano de Moura Lima, SDN

Ter coragem de ser o menor

aureliano, 17.09.21

25º Domingo do TC - B - 19 de setembro.jpg

25º Domingo do Tempo Comum [ 19 de setembro 2021]

   [Mc 9,30-37]

Pedro professou a fé dizendo: “Tu és o Messias”. Mas, em seguida não dá conta de viver o que professa. Busca uma saída, uma justificativa: repreender Jesus (cf. Mc 8, 32-33). Vê-se claramente que os discípulos têm muita dificuldade em viver a fé professada. Para nosso consolo não é dificuldade somente nossa!

Aliás, os discípulos – como nós, por vezes, – estão mesmo preocupados é com os primeiros lugares. Por isso têm medo de perguntar a Jesus o que significava aquele anúncio da paixão. Isso não coincide com suas buscas: quem será o primeiro? Se o ser humano não fizer caminhos de conversão, estará às voltas com a busca de si, de seus interesses pessoais em prejuízo da coletividade. Dêem uma olhadinha nas disputas eleitorais! A grande maioria está buscando seus próprios interesses. Projeção social, sucesso, dinheiro, garantia de altos salários, emprego e cargos para filhos e parentes. A proposta de Jesus é que seu discípulo se preocupe com o coletivo, com o bem comum, sobretudo com os mais pobres. Que todos estejam bem, sejam bem servidos, sejam bem cuidados. A religião que ensina ou insiste na busca de interesses privados não anuncia o Deus de Jesus de Nazaré, mas um ídolo.

Não são, muitas vezes, nossas também essas mesmas preocupações quando assumimos um encargo de liderança? As brigas e rixas nas comunidades provêm daí: “Das paixões que estão em conflito dentro de vós” (Tg 3,2). A inveja e a cobiça são males terríveis! Destroem qualquer comunidade. Elas só podem ser vencidas pela conversão do coração a partir do encontro e seguimento de Jesus. Quando nos empenhamos em tornar nossa vida semelhante à de Jesus.

Na verdade o que está em jogo aqui é agir ou ‘segundo a lógica do mundo’ ou ‘segundo a lógica de Deus’; incorporar a ‘sabedoria do mundo’ ou a ‘sabedoria de Deus’. Jesus não abandona o projeto do Pai. Permanece firme, não obstante a oposição e indiferença dos seus discípulos. Permanece firme, pois sabe que este é o caminho da vida. Ao passo que seus discípulos são fascinados pela lógica do mundo. Não admitem que uma vitória possa vir pela vida entregue, a morte. Esta, para eles, é fracasso total. Sobretudo porque tinham em vista a chegada a Jerusalém e a vitória total do mestre Jesus sobre os dominadores da Cidade Santa.

Abraçando e apresentando uma criança Jesus quis mostrar que a lógica de Deus passa pela acolhida aos mais frágeis, uma vez que as crianças naquele tempo não tinham nenhum prestígio ou reconhecimento. Representavam os indefesos, fracos, abandonados, marginalizados. Por isso, todas as vezes que abraçamos, acolhemos, ajudamos, colaboramos com a causa dos indefesos, representados pelas crianças do evangelho, estamos acolhendo Jesus e o seu Reino. Uma Igreja que acolhe os pequenos, que se compromete com os pobres, abandonados, migrantes, desempregados, em situação de rua está acolhendo o próprio Deus. Por outro lado, uma Igreja que se aproxima e se associa aos poderosos da terra, aos latifundiários e empresários gananciosos, aos detentores do poder político e econômico está traindo a Boa Nova de Jesus.

Algumas perguntas poderiam nos acompanhar ao longo desta semana: Qual é a lógica/sabedoria que nos orienta: a sabedoria do mundo ou a sabedoria de Deus? Deixo-me levar pela ganância do ter e do poder? Qual é minha maior preocupação: ocupar os primeiros lugares, incomodar-me com quem está nos primeiros lugares (porque penso que o lugar deveria ser meu)? Luto por um mundo mais igualitário, mais democrático, mais dialógico, começando por mim? Estou disposto a enfrentar desafios, desafetos, desprezos, humilhações, fracassos por causa de minha fidelidade ao evangelho?

--------xxxx--------

A PROPÓSITO DAS CRIANÇAS

Jesus “tomou uma criança, colocou-a no meio deles e, pegando-a nos braços, disse-lhes...” Essa atitude de Jesus pode nos ajudar a refletir sobre muitas situações por que passam as crianças na sociedade atual.

Uma delas é o abandono. Certamente são mais do que justas e necessárias as ausências dos pais que saem todos os dias em busca do pão de cada dia. As crianças ficam nas creches, com as avós ou em outras situações. Mas o fato é que a presença norteadora dos genitores deixa a desejar. Quem são mesmo os verdadeiros orientadores, educadores dos seus filhos? Muitas vezes se busca compensar a ausência com presentes. Uma espécie de compra do afeto. Isso mais tarde se transformará em ódio contra os pais. Nunca compre o amor de seu filho/a. Dê presença e carinho gratuitamente. Seja sempre verdadeiro, honesto, sincero!

Outra realidade é a da tecnologia da comunicação. Ocupados com as mídias e redes sociais, alguns pais deixam os filhos abandonados. Até costumam oferecer-lhes de presente um aparelho também. Assim fica ótimo! Cada um na sua. Ninguém incomoda a ninguém. Você sabe o que seu filho vê na internet? Sabe com quem ele faz contato? Sabe por onde navega? Há histórias terríveis em relação a isso. Pare, pense e confira!

Você que é cristão, católico, ensina as primeiras orações a seu filho/a? Ensina a ele/ela os valores do evangelho? Dá bom exemplo de partilha, de solidariedade, de respeito, de justiça, de verdade? – Outro dia ouvi uma história linda: Aproximava-se o aniversário do filho: 10 anos. O pai, professor e possuidor de uma condição econômica razoável, perguntou-lhe o que gostaria de ganhar como presente de aniversário. Para surpresa do pai, o filho pediu uma boa quantidade de pães a fim de fazer sanduíches e distribuir com os pobres da rua! Esse gesto brotado do coração de um menino de classe média diz muito pra nós!

Outro fato evidenciado pela mídia, e, infelizmente, muito praticado em nosso meio, é o abuso sexual de crianças e adolescentes. Uma situação terrivelmente dolorosa e danosa para a criança, vítima indefesa e inocente, e para a família. E, no caso da Igreja, enquanto continuadora da missão de Jesus, uma mancha terrível. Leva a uma espécie de apagão de todo o trabalho e doação de milhares de padres e religiosos que entregam sua vida, sua força, suas energias para cuidar, educar, salvar as crianças nas famílias e comunidades. Quero reafirmar que os pais precisam acompanhar com muita solicitude seus filhos e filhas pequenos para que não sejam vítimas dessa perversão/perversidade de muitos adultos e que prejudica terrivelmente milhares de crianças. Com muita frequência as crianças são abusadas pelos de casa, mas a mãe ou quem tem conhecimento, ou não se importa ou não tem coragem de denunciar ou se deixa levar pelo medo. Enfim, é uma situação terrível. O melhor remédio é prevenir.

Alem disso há crianças espancadas, violentadas, maltratadas, passando fome, exploradas em trabalhos pesados nos semáforos e nos lixões, exploradas sexualmente nas ruas e rodovias...

Essa canção do Pe. Zezinho precisaria perder a vigência: Menores abandonados, / Alguém os abandonou. / Pequenos e mal amados / o progresso não os adotou.

Pe. Aureliano de Moura Lima, SDN

 

É cristão quem segue a Jesus

aureliano, 21.08.21

21º Domingo do TC - B - 22 de agosto.jpg

21º Domingo do Tempo Comum [22 de agosto de 2021]

   [Jo 6,60-69]

Durante os cinco últimos domingos refletimos e rezamos o capítulo sexto de João. Hoje chegamos ao final. Jesus veio, como que, preparando seus discípulos para viverem um modo novo, uma vida nova. Desde a partilha do pão no deserto até à radicalidade de fazer-se pão para os demais, como Jesus, o Pão da vida. Esse é o projeto de Jesus. Uma vez eucaristizados devemos ser eucaristizantes.

No final notamos dois grupos de discípulos: os que creram nele e os que não creram. Os que se deixaram atrair pelo Pai e os que preferiram os projetos mundanos. Os que optaram pela “carne” e os que seguiram as inspirações do “espírito”. E o grupo dos que “voltaram atrás” era grande: “Muitos discípulos voltaram atrás e não andavam mais com ele” (Jo 6,66).

Interessante notar que Jesus não se deixa abalar pelo abandono daqueles que preferem seguir outros caminhos, ou, seus próprios caminhos: “Então Jesus disse aos doze: ‘Vós também vos quereis ir embora?’” (Jo 6,67). Jesus não admite meio termo. Não é possível servir a dois senhores, “servir a Deus e ao dinheiro” ao mesmo tempo (cf. Mt 6,24). Os discípulos precisariam tomar uma decisão. Jesus não se satisfaz com uma busca inconsequente, descomprometida, curiosa e interesseira. Deviam tomar uma decisão firme e resoluta. Ter a coragem de andar nas pegadas do Mestre: à semelhança dele, entregar-se pela salvação do mundo.

“Esta palavra é dura. Quem consegue escutá-la?” (Jo 6,60). Jesus não contemporiza com ninguém. Ter fé em Jesus é comprometer-se com ele. É abandonar a vida mundana que se pauta na preocupação com a conta gorda no banco, com o sucesso, com o reconhecimento social, com o acúmulo de bens e com altos salários, com festas e passeios sem medida, com falta de ética, de verdade e de honestidade. É preciso romper com essa mentalidade para seguir Jesus. O compromisso com Jesus se manifesta na preocupação com os mais necessitados, com os abandonados, com a partilha dos bens da criação, com os benefícios que as políticas públicas lhes devem assegurar. Fé em Jesus leva a comprometer-se com a família, a aliviar os sofrimentos dos doentes, a acolher e amar as crianças, a socorrer e confortar os idosos. Em solidariedade e comprometimento com os “sobrantes” da sociedade.

As palavras de Josué, na primeira leitura da liturgia desse domingo, devem ecoar forte dentro de nós nestes tempos difíceis em que cada um escolhe aquilo que mais lhe agrada e interessa, em detrimento da ética, do respeito, do cuidado pela vida: “Se vos parece mal servir ao Senhor, escolhei hoje a quem quereis servir: se aos deuses a quem vossos pais serviram na Mesopotâmia, ou aos deuses dos amorreus, em cuja terra habitais. Quanto a mim e à minha família, nós serviremos ao Senhor” (Js 24,15).

Servir ao Senhor não se resume em frequentar o templo, ir a um culto ou celebração, fazer esse ou aquele ato de bondade. Não. Servir ao Senhor significa assumir uma postura de vida que se pauta pela vida de Jesus de Nazaré. No templo celebramos uma realidade que buscamos viver com a graça de Deus. Aquilo que experimentamos durante a semana, colocamos no altar do Senhor como comunidade de fé reunida. Relativamente ao bem que fazemos, pode ser que haja aí mais vaidade e troca de favores do que um serviço generoso e despojado:               “Ainda que distribuísse todos os meus bens aos famintos, ainda que entregasse o meu corpo às chamas, se não tivesse caridade, isso nada me adiantaria” (1Cor 13,3).

A abertura ao Pai é imprescindível para se assumir uma nova postura na vida que se fundamenta na fé. O batismo que nos torna novas criaturas nos introduz no coração do Pai, nos dá a vida divina (eterna). A humildade, a simplicidade, a abertura de coração, a sensibilidade ao outro são virtudes e qualidades que precisam ser cultivadas para que vivamos de acordo com a vida divina infundida em nós no batismo. “Ninguém pode vir a mim a não ser que lhe seja concedido pelo Pai” (Jo 6,65).

“A quem iremos, Senhor? Tu tens palavras de vida eterna” (Jo 6,68). Essa confissão de fé de Pedro nos ajuda a refletir na verborréia que deparamos no nosso mundo. Mesmo dentro da Igreja usamos de uma multiplicidade de palavras e de normas que dizem pouco ou quase nada ao nosso povo. É preciso saber se estamos sendo coerentes com o que dizemos, com o que pregamos. Precisamos nos examinar sobre o que dizem para nós, eclesiásticos, as palavras de Jesus.  Pois nEle as palavras brotavam de dentro, de uma vida de intimidade com o Pai. Não eram palavras vazias, enganosas, ideologizadas, mentirosas. Nosso maior serviço aos irmãos hoje é colocá-los em contato, não com nossas palavras, mas com as palavras de Jesus. Elas sim são “espírito e vida” (Jo 6,63).

A pergunta que Jesus fez aos discípulos em crise deve continuar ecoando dentro de nós: “E vós, não quereis também partir?” (Jo 6,67). É uma chamada a sair de uma fé de tradição para uma fé de decisão e adesão. E nossa decisão deve ser por Jesus. Ninguém deve ocupar o lugar dele em nosso coração. Enquanto estivermos frequentando a igreja por motivações egoístas ou para agradar a alguém, estamos colocando em xeque nossa continuidade e maturidade na fé. Nossa participação na comunidade deve ser motivada pelo bem que nos faz, tornando-nos pessoas boas para que possamos fazer o bem.

-------------xxxxx-------------

AS CRISES DO CAMINHO

Olhando ainda mais de perto o relato da liturgia de hoje podemos considerar também a situação de crise em que vivemos e sua importância para ajudar a crescer e a purificar o caminho.

Uma pergunta que precisa ser colocada é: O que nos motiva a permanecer na Igreja? Qual é a razão pela qual continuamos a participar, a celebrar, a colaborar?

À palavra de Jesus “Vós também vos quereis ir embora?”, Pedro faz definitivamente uma profissão de fé: “A quem iremos, Senhor? Tu tens palavras de vida eterna. Nós cremos firmemente e reconhecemos que tu és o Santo de Deus” (Jo 6,67-69).

Dúvidas e incertezas são realidades inerentes à vida humana. Por isso disse o divino Mestre: “Entre vós há alguns que não crêem” (Jo 6,64). Decepções, desencantos, fragilidades, desencontros, apegos, fechamentos, arrogância são elementos que produzem dúvidas. Ter visto e se encontrado com Jesus ainda não garante a fé. Alguém pode conhecer tudo acerca do evangelho, da vida de Jesus e da Igreja e não ter fé. Esta é fruto de um encontro amoroso entre a bondade de Deus que vem ao nosso encontro e de nossa resposta livre de acolhida a essa bondade que ele revelou em Jesus de Nazaré. Essa resposta vivida, concretizada no cotidiano conduz à salvação.

A resposta de Pedro nos diz que não há saída possível. Quem tem palavras de vida eterna é o próprio Cristo, Filho do Deus vivo.

Somente um encontro profundo com o Senhor poderá transformar nossa vida, gerar em nós aquela convicção que nada neste mundo poderá tirar. Vale lembrar aquelas palavras do Papa Francisco que podem ajudar nesse caminho de seguimento a Jesus: “Todos os cristãos, em qualquer lugar e situação que se encontrem, estão convidados a renovar hoje mesmo o seu encontro pessoal com Jesus Cristo ou, pelo menos, a tomar a decisão de se deixar encontrar por Ele, de procurá-lo dia a dia, sem cessar. (...) Não me cansarei de repetir estas palavras de Bento XVI que nos levam ao centro do Evangelho: ‘Ao início do ser cristão, não há uma decisão ética ou uma grande ideia, mas o encontro com um acontecimento, com uma Pessoa que dá à vida um novo horizonte e, desta forma, o rumo decisivo’” (EG, 3 e 7).

                Pe. Aureliano de Moura Lima, SDN

Eucaristia: um amor que se reparte

aureliano, 08.04.20

IMG_20161009_105638.jpg

Quinta-feira Santa [09 de abril de 2020]

[Jo 13,1-15]

Neste primeiro dia do Tríduo Pascal celebramos a instituição da Eucaristia, memorial da morte e ressurreição do Senhor, que se desdobra em dois aspectos: a instituição do Sacerdócio Ministerial e o Serviço Fraterno da Caridade.

Perpassando o evangelho de João, notamos que não há referências aos gestos rituais de Jesus sobre o pão e vinho como o fazem os outros evangelistas. O discurso de Jesus sobre a Eucaristia está no capítulo 6° de seu evangelho.

No discurso de despedida, João salienta o gesto de Jesus ao lavar os pés de seus discípulos. Não pede que seu gesto seja reproduzido ritualmente, mas que devemos “fazer como ele fez”. Ou seja, devemos refazer em nossas relações o que Jesus fez naquele gesto simbólico: amor gratuito que torna presente o “sacramento” do amor de Cristo por todos nós. O “lava-pés” deve ser o modo de proceder, o estilo de vida da comunidade dos seguidores de Jesus: “Dei-vos o exemplo para que façais a mesma coisa que eu fiz” (Jo 13,15).

O sacramento do amor

A Eucaristia, memorial do sacrifício de Jesus, é o sacramento do Corpo e Sangue de Cristo que nos é dado como alimento: “Todas as vezes, de fato, que comerdes deste pão e beberdes deste cálice, estareis proclamando a morte do Senhor até que ele venha” (1Cor 11,26). Esta presença real-sacramental do Senhor ressuscitado no pão e no vinho se estende também, de algum modo, aos irmãos. Por isto não se pode conceber a comunhão eucarística sem referência aos irmãos. Particularmente aos mais pobres e necessitados. E Paulo alerta: “Quando, pois, vos reunis, o que fazeis não é comer a Ceia do Senhor; cada um se apressa em comer a sua própria ceia; e, enquanto um passa fome, o outro fica embriagado” (1Cor 11,20).

Enquanto a Igreja propõe reflexão e ação sobre Políticas Públicas, sobre o cuidado do ser humano: “Viu, sentiu compaixão e cuidou dele”, na busca de se efetivarem os direitos dos cidadãos, Executivo, Legislativo e Judiciário, por vezes “em nome de deus”, retiram os poucos direitos adquiridos. Assistimos recentemente à morte de vários conselhos de participação popular nas políticas de gestão do patrimônio público e de direitos do cidadão. Enquanto uns se locupletam, outros passam fome. Dizer-se crente em Jesus Cristo e decretar a morte dos indefesos é um pecado que “brada aos céus e pede a Deus vingança”.

Se a Eucaristia que celebramos não nos move a gestos eucarísticos de partilha, de respeito, de cuidados, de acolhida a cada irmão e irmã, não estamos celebrando a Memória de Jesus. A Eucaristia se efetiva em nossos gestos e atitudes de misericórdia para com nossos irmãos e irmãs.

SACERDÓCIO MINISTERIAL

Os gestos que Jesus realiza de “levantar-se”, “tirar o manto”, “vestir o avental”, “lavar os pés” revelam como devem ser as relações na comunidade: não de poder, mas de serviço. Portanto, o sacerdócio ministerial, para ser coerente com o dom recebido, deve ter como inspiração os gestos de Jesus no ‘Lava-pés’.

Quem preside à comunidade, preside também a Eucaristia. Reúne a comunidade para a oração, para a escuta da Palavra, para o serviço aos pobres, distribui as tarefas e partilha os bens ofertados. Assim proclama o Concílio Vaticano II sobre a missão do sacerdote: “De coração, feitos modelos para o rebanho, presidam e sirvam de tal modo sua comunidade local, que esta dignamente possa ser chamada com aquele nome pelo qual só e todo o Povo de Deus é distinguido, a saber: Igreja de Deus” (LG, 28).

Neste dia, na Missa Crismal (que esse ano será adiada pelo motivo do isolamento social), o presbitério renova as promessas sacerdotais diante do Bispo. Uma destas promessas revela claramente a missão do padre. Ela reza assim: “Quereis ser fiéis distribuidores dos mistérios de Deus pela missão de ensinar, pela sagrada Eucaristia e demais celebrações litúrgicas, seguindo o Cristo Cabeça e Pastor, não levados pela ambição dos bens materiais, mas apenas pelo amor aos seres humanos?”

CENA SIMBÓLICA

Vamos contemplar os gestos de Jesus e sua relação com nossa vida:

- vestir o avental: revestir-se de simplicidade, de ternura, de presença, de serviço desinteressado.

- tirar o manto: arrancar tudo que impede o serviço, a prontidão, a disponibilidade.

- levantar-se da mesa: estar à mesa é muito bom. Mas há sempre uma situação que nos espera, um ambiente carente, um serviço urgente. Levantar-se da mesa e sentar-se à mesa é uma dinâmica constante em nossa vida. Movimentos de partida e de chegada.

- levantou-se da mesa: não se pode servir permanecendo no comodismo. Algo precisa ser feito. O Senhor “precisa” de mim, como precisou do jumentinho: “O Senhor precisa dele”.

- ficar de pé: é a atitude que tomamos quando ouvimos o evangelho na celebração. Significa prontidão para deslocar-se, para sair em qualquer direção. Prontidão para viver a Boa Nova do Reino de Deus. Estar à mesa é sinal de fraternidade, mas é preciso saber a hora certa de se levantar e sair para servir.

- tirou o manto: é abrir mão do poder. Algo que brota de dentro. O manto impede a liberdade dos movimentos. Ele traz a aparência de poder. Há “mantos” que prendem e amarram. O Senhor trocou o manto pelo avental. Quais são meus “mantos”? Costumo colocar o avental?

- colocou água na bacia...: Jesus não faz serviço pela metade. Não tem receio de se inclinar até o chão para lavar os pés dos seus discípulos. Não faz distinção de ninguém. Lava os pés de todos.

- depois, voltou à mesa: retomou o manto, mas não tirou o avental. Ele quer mostrar que seu discípulo deve ser sempre servidor. Não se pode tirar o avental do serviço. Qualquer posto ou cargo ou ministério que se ocupar deve estar ali, sob o manto do poder, o avental do serviço. Então deve ser poder-serviço. Todo exercício de poder sem a dimensão do serviço (avental) está fadado a oprimir, a se corromper, a sacrificar vidas.

Vê-se, pois, que a Eucaristia foi instituída para formar um só Corpo. O corpo sacramental de Cristo no pão consagrado deve transformar o comungante no Corpo eclesial. O Espírito Santo transforma o pão e o vinho no Corpo e Sangue de Cristo, para que a assembléia celebrante e comungante se transforme no Corpo do Senhor, a Igreja. Provém daí a expressão clássica: a Eucaristia faz a Igreja e a Igreja faz a Eucaristia. Isto tem consequências profundas em nossa vida. A comunhão eucarística nos compromete com os membros (do corpo) que sofrem, que passam fome, que pecam, que estão afastados, que experimentam o abandono, que padecem por causa de nossas omissões e covardias. O senhor deu-nos o exemplo para que façamos o mesmo que ele fez: amou-nos até o fim!

Pe. Aureliano de Moura Lima, SDN

“Entre vós não deve ser assim”

aureliano, 19.10.18

29º Domingo do TC - 21 de outubro.jpg

29º Domingo do Tempo Comum [21 de outubro 2018]

   [Mc 10,35-45]

No domingo passado, Jesus exortava a renunciar às riquezas. O apego a elas é empecilho para o seguimento de Jesus, para a salvação. Jesus propõe um caminho novo: a partilha com os pobres. Para que não haja necessitados (cf. At 4, 32-35).

Neste domingo, continuando o caminho para Jerusalém, onde se dará o desfecho de sua entrega total ao Pai por nós, Jesus continua ensinando aos seus discípulos, a partir do caminho que eles mesmos vão fazendo em que aparecem seus defeitos e pecados. Eles precisam mudar a mentalidade. E como é difícil mudar a maneira de pensar! Sobretudo quando se trata de pensar à maneira de Jesus: sair de si mesmo.

Os filhos de Zebedeu, do grupo dos primeiros discípulos, já pensavam nos privilégios de terem sido os primeiros! Pensando que Jesus seria um grande líder político, que entraria triunfalmente em Jerusalém, dominando e desbaratando o poder opressor, querem garantir uma fatia no bolo do poder: “Deixa-nos sentar um à tua direita e outro à tua esquerda, quando estiveres na tua glória” (Mc 10,37).

Jesus se vale desse pedido para dar-lhes um ensinamento. É preciso “beber o cálice”. Ou seja, é preciso participar da mesma sorte de Jesus. É preciso “ser batizado” no mesmo batismo de Jesus. Isto é, terão que dar conta de experimentar, de imergir na paixão e sofrimento do Mestre. João e Tiago precisam estar dispostos a enfrentar a dor e o sofrimento, a percorrer o caminho da entrega da vida com o Mestre pela salvação da humanidade.

Na segunda parte do evangelho Jesus é bem claro no ensinamento a respeito do poder temporal buscado pelos filhos de Zebedeu: “Os chefes das nações as oprimem e os grandes as tiranizam. Mas, entre vós não deve ser assim: quem quiser ser grande, seja vosso servo; e quem quiser ser o primeiro, seja o escravo de todos” (Mc 10, 42-44). Os discípulos poderiam recordar a tirania do império romano e de outros malvados de seu tempo como Herodes Antipas e seus familiares. Jesus propõe uma interrelação totalmente diferente. Agora a relação deve ser de fraternidade e de serviço: “Porque o Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida como resgate por muitos” (Mc 10, 45).

“Entre vós não deve ser assim”. Essa palavra de Jesus deve nos acompanhar. Penso que ela resume todo o ensinamento de Jesus nesse relato. Ele exige que sejamos diferentes, que tenhamos atitudes diferentes daquelas que o mundo propõe. Enquanto a sociedade do consumo propõe como caminho de felicidade o sucesso, o dinheiro, a aparência, os aplausos, o acúmulo, o poder, a capacidade de influenciar, o gozo a todo custo, Jesus propõe um caminho de doação, de respeito, de solidariedade, de saída de si, de partilha dos bens, do serviço generoso, da alegre convivência, de cuidado para com o mais fraco.

Essa é a “política” de Jesus. É o Reino de Deus que ele inaugurou. Enquanto no mundo da política rasteira muitos estão preocupados com seus cargos em perigo, com os altos salários, com os acordos espúrios para tirar vantagem, com os primeiros lugares, com os privilégios, Jesus vem propor uma atitude de serviço, de lava-pés, de fazer valer o poder-serviço.

Ministro vem de minus ou minor, menor. Quem tem algum ministério, seja na Igreja, seja na sociedade, deve entender-se como servidor de todos. Em face do pequeno o homem revela o que tem no coração: bondade ou sede de poder. O pequeno, o fraco, o necessitado de minha ajuda pode ser um objeto para meus caprichos, como pode ser alguém que me ajuda a expressar a bondade e a misericórdia.

Para refletir: Como exerço meu ministério na comunidade: busco servir ou me sirvo do ministério? Como tenho atuado na política: estou à cata de vantagens pessoais, ou estou empenhado nas necessidades da comunidade? Ainda mais: os outros discípulos começaram a brigar com João e Tiago por causa de seu pedido. Fico disputando, brigando, competindo com os outros, ou valorizo, respeito, admiro e mesmo incentivo aqueles que exercem bem seu ministério?

-----------xxxxxxxxx------------

Certamente a palavra emblemática de Jesus: “Quem quiser ser o maior, se faça servidor de todos” encontre pouca repercussão em nossa sociedade atual. Hoje perdura a busca do triunfo. De modo geral, as pessoas querem vencer a todo custo. Além de medir força com os outros, há também a busca do bem-estar pessoal, social. Bom salário, conta corrente forte, aplicação financeira, o máximo possível de passeios e curtição, livrar-se de qualquer situação ou pessoa que ‘pese’ a vida. Um modo de vida que traga o máximo de prazer e conforto e eliminação de toda pessoa ou situação que gere desconforto, mal-estar. Estabelecer poucas relações sociais para não ser incomodado: cada um cuide de si mesmo. Não complicar a vida. Quanto mais distante daqueles que me ‘incomodam’, melhor. Aproximações somente para tirar vantagens.

Bem. Diante de tal quadro é bem difícil fazer ecoar a palavra do Evangelho. Ser cristão, discípulo de Jesus, em meio a tanta indiferença humana talvez seja o grande desafio para nós, hoje.

----------xxxx----------

O relato de hoje acena para a necessidade se refletir sobre a religião. Pe. Pagola fala de “Religião da autoridade” e “Religião do chamado”. A ‘religião de autoridade’ busca impor normas e doutrinas, exigindo obediência à autoridade que se impõe pelo medo, pela ameaça, pela coação. Já a “religião do chamado” não impõe, mas propõe um caminho de salvação; não atua pelo poder, mas pelo serviço; não julga nem condena, mas acolhe, perdoa e incentiva a caminhar. A fé cristã deve colocar-se no caminho de um serviço humanizador aos homens e mulheres de nosso tempo se quiser perdurar e influenciar a história.

Pe. Aureliano de Moura Lima, SDN

Pastores e Pastorais, cuidem do rebanho!

aureliano, 20.07.18

16º domingo do TC - B.jpg

16º Domingo do Tempo Comum [22 de julho de 2018]

  [Mc 6,30-34]

Estamos ainda no capítulo sexto de Marcos. Se você notar bem, houve um salto em relação aos versículos proclamados no evangelho do último domingo. O texto retoma o envio dos discípulos: a volta da missão. O relato do assassinato do Batista (6,17-28) mostra um banquete de morte. Jesus vem oferecer um banquete de vida.

Jesus oferece aos discípulos, que retornam cansados da missão, um descanso. Esse descanso, porém não é uma ociosidade improdutiva. Mas, pelo entendimento que o autor sagrado tem do deserto, trata-se de uma retirada para um encontro com Deus. Pois deserto, na Sagrada Escritura, é o lugar da luta contra o espírito do mal e do encontro com o Pai, na oração. De qualquer modo, é um lugar de revisão de vida, encontro consigo mesmo, de confronto e luta espiritual. Ajuda a descobrir por que caminhos Deus nos quer conduzir.

Para surpresa do grupo de Jesus, a multidão chegou lá antes deles. O que surpreende ainda mais é a atitude de Jesus. Em vez de expulsar, de maldizer a multidão, de reclamar ‘contra Deus e o mundo’, pois estavam em busca de “descansar um pouco”, enche-se de compaixão “porque eram como ovelhas sem pastor”. Jesus nunca decepciona aqueles que o buscam. Tem sempre um gesto, uma palavra que conforta e reanima.

Essa atitude de Jesus é o centro do relato de hoje. Jesus não sabia olhar para ninguém com indiferença. Não suportava ver as pessoas sofrendo. Esse seu jeito de ser entrou no coração das primeiras gerações cristãs. Por isso Marcos recorda esse fato, num tempo em que, certamente, a indiferença e mesmo o cansaço ameaçavam minar a vida da comunidade. Então começam a perceber que Jesus se compadecia das crianças sem carinho, dos enfermos abandonados e sofredores, dos que passavam fome. Estava atento ao que se passava ao seu redor. Não era um alienado e ensimesmado.

Essas atitudes de Jesus levam a comunidade a reconhecê-lo como o Pastor prometido em Ezequiel 34: “Eu mesmo vou buscar meu rebanho para cuidar dele”. Cuida das ovelhas fracas, cura as feridas, conforta as doentes, alimenta as famintas, busca e reconduz as desgarradas e perdidas. É o bom Pastor do Salmo 23 (22) que não abandona “no vale tenebroso” aqueles que a Ele se entregam confiantes.

Esse gesto de Jesus nos insta a olhar com mais cuidado ao nosso redor. Pode ser u’a mãe que não sabe o que fazer com o filho rebelde ou desencontrado. Pode ser um pai desempregado e desiludido. Pode ser uma esposa que não suporta mais a droga na família. Pode ser um jovem decepcionado com os pais. Pode ser uma pessoa perdida em relação ao sentido da vida e à religião. Pode ser uma jovem que engravidou e não sabe o que fazer para não ser expulsa de casa ou abandonada pelo namorado. Precisamos estar atentos, compassivamente, como Jesus. As dores e angústias das pessoas estremeciam-lhe a alma, moviam-lhe a entranhas.

Às vezes perdemos tempo e energia discutindo ninharias, falando mal dos outros, ou mesmo envolvidos em questões mesquinhas, enquanto há tantas “ovelhas sem pastor”. Há, pois, necessidade urgente de formarmos lideranças que sejam verdadeiros pastores e pastoras para o povo. Chega de lobos travestidos de ovelhas, de mercenários travestidos de pastores!

A nomenclatura que tanto usamos nas comunidades – pastoral - tem aí sua raiz. Por isso, hoje, o importante não é multiplicar atividades chamando-as de pastoral, mas estar atento para que, os que as realizam, tenham alma de pastor, atitude de pastor: acolhida, liderança e amor até doar a própria vida. É preciso adquirir o “cheiro das ovelhas”. E as “ovelhas” não são apenas as pessoas que frequentam nosso grupo, mas toda pessoa em situação de necessidade.

“Pastoral é conduzir o povo pelo caminho de Deus. É inspirada não pelo desejo de poder, mas pelo espírito de serviço. Jesus não procurou arrebanhar o povo para si. Inclusive, vendo o entusiasmo equivocado, se retirou (Jo 6,14-15). Ele procura levar o rebanho ao Pai, nada mais. Ser pastor não é autoafirmação, mas o dom de orientar carinhosamente o povo eclesial para Deus” (Pe. J. Konings).

Note bem: Uma das razões do celibato consagrado dos religiosos e dos padres é deixá-los mais disponíveis para cuidar das ovelhas sem pastor. Sendo assim, o tempo que gastariam consigo mesmos e com suas coisas, gastam-no com o rebanho que lhes foi confiado. Rezemos para que nossos padres, religiosos e religiosas vivam com alegria sua consagração e se dediquem, com generosidade, ao serviço das ovelhas, principalmente daquelas abandonadas e infelizes, sem medir esforços, sem adiar urgências, sem mediocridade, mas com o espírito de Jesus, Bom Pastor.

Pe. Aureliano de Moura Lima, SDN

Amou-nos até o fim

aureliano, 23.03.16

Quinta-feira Santa [24 de março de 2016]

[Jo 13,1-15]

Neste primeiro dia do Tríduo Pascal celebramos a instituição da Eucaristia, memorial da morte e ressurreição do Senhor, que se desdobra em dois aspectos: a instituição do Sacerdócio Ministerial e o serviço fraterno da caridade.

Perpassando o evangelho de João, notamos que não há referências aos gestos rituais de Jesus sobre o pão e vinho como o fazem os outros evangelistas. O discurso de Jesus sobre a Eucaristia está no capítulo 6° de seu evangelho.

No discurso de despedida, João salienta o gesto de Jesus ao lavar os pés de seus discípulos. Não pede que seu gesto seja reproduzido ritualmente, mas que devemos “fazer como ele fez”. Ou seja, devemos refazer em nossas relações o que Jesus fez naquele gesto simbólico: amor gratuito que torna presente o “sacramento” do amor de Cristo por todos nós. O “lava-pés” deve ser o modo de proceder, o estilo de vida da comunidade dos seguidores de Jesus: “Dei-vos o exemplo para que façais a mesma coisa que eu fiz” (Jo 15,15).

O sacramento do amor

A Eucaristia, memorial do sacrifício de Jesus, é o sacramento do Corpo e Sangue de Cristo que nos é dado como alimento: “Todas as vezes, de fato, que comerdes deste pão e beberdes deste cálice, estareis proclamando a morte do Senhor até que ele venha” (1Cor 11,26). Esta presença real-sacramental do Senhor ressuscitado no pão e no vinho se estende também, de algum modo, aos irmãos. Por isto não se pode conceber a comunhão eucarística sem referência aos irmãos. Particularmente aos mais pobres e necessitados. E Paulo alerta: “Quando, pois, vos reunis, o que fazeis não é comer a Ceia do Senhor; cada um se apressa em comer a sua própria ceia; e, enquanto um passa fome, o outro fica embriagado” (1Cor 11,20).

Nesta perspectiva pode-se interpretar o relato joanino como profundamente eucarístico, pois os gestos de Jesus no ‘Lava-pés’, não foram outra coisa senão gestos eucarísticos.

Sacerdócio ministerial

Os gestos que Jesus realiza de “levantar-se”, “tirar o manto”, “vestir o avental”, “lavar os pés” revelam como devem ser as relações na comunidade: não de poder, mas de serviço. Portanto, o sacerdócio ministerial, para ser coerente com o dom recebido, deve ter como inspiração os gestos de Jesus no ‘Lava-pés’.

Quem preside à comunidade, preside também a eucaristia. Reúne a comunidade para a oração, para a escuta da Palavra, para o serviço aos pobres, distribui as tarefas e partilha os bens ofertados. Assim proclama o Concílio Vaticano II sobre a missão do sacerdote: “De coração, feitos modelos para o rebanho, presidam e sirvam de tal modo sua comunidade local, que esta dignamente possa ser chamada com aquele nome pelo qual só e todo o Povo de Deus é distinguido, a saber: Igreja de Deus” (LG, 28).

Neste dia, na Missa Crismal, o presbitério renova as promessas sacerdotais diante do Bispo. Uma destas promessas revela claramente a missão do padre. Ela reza assim: “Quereis ser fiéis distribuidores dos mistérios de Deus pela missão de ensinar, pela sagrada Eucaristia e demais celebrações litúrgicas, seguindo o Cristo Cabeça e Pastor, não levados pela ambição dos bens materiais, mas apenas pelo amor aos seres humanos?”

Cena simbólica

Vamos contemplar os gestos de Jesus e sua relação com nossa vida:

- vestir o avental: revestir-se de simplicidade, de ternura, de presença, de serviço desinteressado.

- tirar o manto: arrancar tudo que impede o serviço, a prontidão, a disponibilidade.

- levantar-se da mesa: estar à mesa é muito bom. Mas há sempre uma situação que nos espera, um ambiente carente, um serviço urgente. Levantar-se da mesa e sentar-se à mesa é uma dinâmica constante em nossa vida. Movimentos de partida e de chegada.

- levantou-se da mesa: não se pode servir permanecendo no comodismo. Algo precisa ser feito. O Senhor “precisa” de mim, como precisou do jumentinho: “O Senhor precisa dele”.

- ficar de pé: é a atitude que tomamos quando ouvimos o evangelho na celebração. Significa prontidão para deslocar-se, para sair em qualquer direção. Prontidão para viver a Boa Nova do Reino de Deus. Estar à mesa é sinal de fraternidade, mas é preciso saber a hora certa de se levantar e sair para servir.

- tirou o manto: é abrir mão do poder. Algo que brota de dentro. O manto impede a liberdade dos movimentos. Ele traz a aparência de poder. Há “mantos” que prendem e amarram. O Senhor trocou o manto pelo avental. Quais são meus “mantos”? Costumo colocar o avental?

- colocou água na bacia...: Jesus não faz serviço pela metade. Não tem receio de se inclinar até o chão para lavar os pés dos seus discípulos. Não faz distinção de ninguém. Lava os pés de todos.

- depois, voltou à mesa: retomou o manto, mas não tirou o avental. Ele quer mostrar que seu discípulo deve ser sempre servidor. Não se pode tirar o avental do serviço. Qualquer posto ou cargo ou ministério que se ocupar deve estar ali, sob o manto do poder, o avental do serviço. Então deve ser poder-serviço. Todo exercício de poder sem a dimensão do serviço (avental) está fadado a oprimir, a se corromper, a sacrificar vidas.

Vê-se, pois, que a Eucaristia foi instituída para formar um só Corpo. O corpo sacramental de Cristo no pão consagrado deve transformar o comungante no Corpo eclesial. O Espírito Santo transforma o pão e o vinho no Corpo e Sangue de Cristo, para que a assembléia celebrante e comungante se transforme no Corpo do Senhor, a Igreja. Provém daí a expressão clássica: a Eucaristia faz a Igreja e a Igreja faz a Eucaristia. Isto tem consequências profundas em nossa vida. A comunhão eucarística nos compromete com os membros (do corpo) que sofrem, que passam fome, que pecam, que estão afastados, que experimentam o abandono, que padecem por causa de nossas omissões e covardias. O senhor deu-nos o exemplo para que façamos o mesmo que ele fez: amou-nos até o fim!

Pe. Aureliano de Moura Lima, SDN