Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

aurelius

aurelius

Deixar-se podar pelo Pai

aureliano, 26.04.24

5º Domingo da Páscoa - B - 02 de maio.jpg

5º Domingo da Páscoa [28 de abril de 2024]

[Jo 15,1-8]       

A alegoria da vinha como o Povo de Deus aparece já no Antigo Testamento: “A vinha do Senhor dos Exércitos é a casa de Israel. Deles esperava o direito, mas o que produziram foi a transgressão” (Is 5, 7). E ainda: “Eu te plantara como uma vinha excelente, toda de cepas legítimas. Como te transformaste para mim em ramos degenerados de uma vinha bastarda?” (Jr 2, 21). Israel, qual vinha de agricultor zeloso, era cuidado por Deus com todo carinho, porém os frutos eram pouco generosos. A infidelidade, a idolatria, impedia a ação de Deus na vida do seu povo.

No relato de hoje Jesus se apresenta como “videira verdadeira” (no domingo passado apresentava-se como bom Pastor). O Pai é o agricultor. Vários cuidados são empregados para que produza frutos: poda dos galhos “bons”; corte e queima dos ramos secos; permanecer ligado ao tronco; produzir frutos.

O essencial deste relato é o “permanecer”. Este verbo aparece oito vezes nestes poucos versículos. Percebemos aí a importância da ligação com Jesus. Sem uma vida de encontro profundo com Cristo ressuscitado que faça com que a vida de Cristo corra em nossas veias, não haverá produção abundante de frutos. Galho seco agarrado ao tronco não serve para nada. Rama de uva cheia de folhas, mas sem nenhuma uva, não serve para nada. As palavras do Mestre devem “permanecer” em nós. Vida de oração é manter-se “plugado” a Jesus na busca permanente da vontade do Pai. É vida de permanente comunhão e intimidade com Deus.

As palavras de Jesus: “Sem mim nada podeis fazer”, nos remete a uma realidade que vivemos hoje de desconhecimento da pessoa de Jesus e do desejo prometéico incutido no coração e na mente humana de autossuficiência e de autorreferencialidade. O ser humano caminha para o caos levado pelo desejo da absoluta autonomia e independência. Julga-se o senhor de tudo e de todos. Prescinde cada vez mais da experiência de fé e de fraternidade. As crises morais, existenciais, hídricas (sic!), étnicas, culturais, econômicas que vivemos estão profundamente vinculadas à autossuficiência humana. Sem a referência a Jesus e aos valores vividos e ensinados por ele, não é possível uma transformação social que perdure.

Ainda mais. O tronco é Jesus. Nós somos os ramos. Ninguém pode ter a petulância de se colocar como tronco: dono da verdade, dono do poder, dono das pessoas, dono do dinheiro, dono das decisões, dono da comunidade. O ensinamento de Jesus quer incutir em nós a igualdade na comunidade. Todos somos ramos. Cuidado com o poder (da hierarquia e da política, do mercado e do dinheiro) que por vezes seca os ramos ou se enche de folhagem inútil! É preciso levar os ramos a se ligarem profundamente ao Tronco para que produzam frutos.

Sem cultivo da intimidade com Jesus Cristo, colocando-o como centro de nossa vida e de nossas decisões, corremos o risco de reduzir nossa fé a um folclore, a um ritualismo vazio, a uma relação comercial com uma realidade sagrada que denominamos deus. Então nos tornaremos galho seco ou ramo enfeitado, mas vazio daquilo que é essencial: frutos, uva doce, atitude que dê sabor à vida dos outros. Enganamos os outros, exploramos sem escrúpulo, azedamos a vida daqueles que nos circundam e machucamos aqueles que nos buscam.

Os frutos que devem ser produzidos são claros: crer em Jesus e amar uns aos outros (cf. 1Jo 3, 23). É o resultado do permanecer em Deus que, consequentemente, produz frutos.

As podas que o Pai faz são integrantes do processo de cultivo e produção. Elas ajudam a produzir. Por isso precisamos estar abertos a outras possibilidades: abertura ao novo, diálogo, correção fraterna, abrir mão das próprias idéias, conviver com diferenças, ser mais tolerante, superar preconceito de raça, religião, condição social ou orientação sexual. As podas não são necessariamente provação vazia, perseguição inócua; elas são graça de Deus para produzirmos frutos. É deixar o Pai arrancar de nós aqueles excessos que nos impedem de ser melhores.

-----------xxxxx----------

Quando Jesus chama seu Pai de “agricultor”, ele derruba essa imagem que insistem em incutir em nós de um Deus todo poderoso e distante, juiz implacável, alguém que nos ameaça constantemente. Agricultor: aquele que cuida do campo, das plantas, que cultiva a terra. Ele nos deu seu filho Jesus como “verdadeira videira”. Quem quiser produzir frutos bons precisa permanecer nessa videira e deixar-se cultivar, limpar, podar pelo Pai/Agricultor.

Os ramos devem produzir frutos. Do contrário precisam ser cortados. Não adianta estar grudado na videira e permanecer seco, sem vida, sem fruto. O ramo seco é retirado. Os ramos verdes são limpos, podados para produzir ainda mais.

O Pai/Agricultor nos limpa e faz produzir frutos com que instrumento? A Palavra de seu filho Jesus. Ela é viva e eficaz. A palavra de Jesus mexe com a vida da gente. Ela nos incomoda e desacomoda. Ela nos tira de nós mesmos, de nosso egoísmo e fechamento. Ela nos purifica dos desejos de grandeza, de um coração ganancioso, da busca de ser mais do que outros.

Somos todos ramos. Não tem ninguém mais do que ninguém. Seja cristão leigo, seja padre, seja bispo, todos somos ramos. Jesus é o tronco. O que mais importa é estarmos plugados nele. Esse verbo “permanecer” que aparece várias vezes nesse capítulo 15 de João insiste em nos dizer que o mais importante na vida cristã é permanecer em Jesus. A grande luta de todos nós deve ser a de permanecer em Jesus. Não buscarmos nas coisas e nas pessoas razões para vivermos. Jesus é o sentido e orientação absolutos de nossa vida. “Sem mim nada podeis fazer”.

Oração: Pai, ajuda-nos a reconhecer nossa pequenez, nossos excessos, nossa infidelidade. Faze com que tua vida penetre cada vez mais em nós para que não sejamos ramos secos, desligados de ti e dos irmãos, nem ramagem formosa, mas improdutiva. Enche-nos de teu amor e de tua vida. Amém.

Pe. Aureliano de Moura Lima, SDN

“Sem mim nada podeis fazer”

aureliano, 01.05.21

5º Domingo da Páscoa - B - 02 de maio.jpg

5º Domingo da Páscoa [02 de maio de 2021]

[Jo 15,1-8]       

A alegoria da vinha como o Povo de Deus aparece já no Antigo Testamento: “A vinha do Senhor dos Exércitos é a casa de Israel. Deles esperava o direito, mas o que produziram foi a transgressão” (Is 5, 7). E ainda: “Eu te plantara como uma vinha excelente, toda de cepas legítimas. Como te transformaste para mim em ramos degenerados de uma vinha bastarda?” (Jr 2, 21). Israel, qual vinha de agricultor zeloso, era cuidado por Deus com todo carinho, porém os frutos eram pouco generosos. A infidelidade, a idolatria, impedia a ação de Deus na vida do seu povo.

No relato de hoje Jesus se apresenta como “videira verdadeira” (no domingo passado apresentava-se como bom Pastor). O Pai é o agricultor. Vários cuidados são empregados para que produza frutos: poda dos galhos “bons”; corte e queima dos ramos secos; permanecer ligado ao tronco; produzir frutos.

O essencial deste relato é o “permanecer”. Este verbo aparece oito vezes nestes poucos versículos. Percebemos aí a importância da ligação com Jesus. Sem uma vida de encontro profundo com Cristo ressuscitado que faça com que a vida de Cristo corra em nossas veias, não haverá produção abundante de frutos. Galho seco agarrado ao tronco não serve para nada. Rama de uva cheia de folhas, mas sem nenhuma uva, não serve para nada. As palavras do Mestre devem “permanecer” em nós. Vida de oração é manter-se “plugado” a Jesus na busca permanente da vontade do Pai. É vida de permanente comunhão e intimidade com Deus.

As palavras de Jesus: “Sem mim nada podeis fazer”, nos remete a uma realidade que vivemos hoje de desconhecimento da pessoa de Jesus e do desejo prometéico incutido no coração e na mente humana de autossuficiência e de autorreferencialidade. O ser humano caminha para o caos levado pelo desejo da absoluta autonomia e independência. Julga-se o senhor de tudo e de todos. Prescinde cada vez mais da experiência de fé e de fraternidade. As crises morais, existenciais, hídricas (sic!), étnicas, culturais, econômicas que vivemos estão profundamente vinculadas à autossuficiência humana. Sem a referência a Jesus e aos valores vividos e ensinados por ele, não é possível uma transformação social que perdure.

Ainda mais. O tronco é Jesus. Nós somos os ramos. Ninguém pode ter a petulância de se colocar como tronco: dono da verdade, dono do poder, dono das pessoas, dono do dinheiro, dono das decisões, dono da comunidade. O ensinamento de Jesus quer incutir em nós a igualdade na comunidade. Todos somos ramos. Cuidado com o poder (da hierarquia e da política, do mercado e do dinheiro) que por vezes seca os ramos ou se enche de folhagem inútil! É preciso levar os ramos a se ligarem profundamente ao Tronco para que produzam frutos.

Sem cultivo da intimidade com Jesus Cristo, colocando-o como centro de nossa vida e de nossas decisões, corremos o risco de reduzir nossa fé a um folclore, a um ritualismo vazio, a uma relação comercial com uma realidade sagrada que denominamos deus. Então nos tornaremos galho seco ou ramo enfeitado, mas vazio daquilo que é essencial: frutos, uva doce, atitude que dê sabor à vida dos outros. Enganamos os outros, exploramos sem escrúpulo, azedamos a vida daqueles que nos circundam e machucamos aqueles que nos buscam.

Os frutos que devem ser produzidos são claros: crer em Jesus e amar uns aos outros (cf. 1Jo 3, 23). É o resultado do permanecer em Deus que, consequentemente, produz frutos.

As podas que o Pai faz são integrantes do processo de cultivo e produção. Elas ajudam a produzir. Por isso precisamos estar abertos a outras possibilidades: abertura ao novo, diálogo, correção fraterna, abrir mão das próprias idéias, conviver com diferenças, ser mais tolerante, superar preconceito de raça, religião, condição social ou orientação sexual. As podas não são necessariamente provação vazia, perseguição inócua; elas são graça de Deus para produzirmos frutos. É deixar o Pai arrancar de nós aqueles excessos que nos impedem de ser melhores.

Pai, ajuda-nos a reconhecer nossa pequenez, nossos excessos, nossa infidelidade. Faze com que tua vida penetre cada vez mais em nós para que não sejamos ramos secos, desligados de ti e dos irmãos, nem ramagem formosa, mas improdutiva. Enche-nos de teu amor e de tua vida. Amém.

Pe. Aureliano de Moura Lima, SDN

“Sem mim nada podeis fazer”

aureliano, 27.04.18

5º Domingo da Páscoa - 29 de abril.jpg

5º Domingo da Páscoa [29 de abril de 2018]

[Jo 15,1-8]       

A alegoria da vinha como o Povo de Deus aparece já no Antigo Testamento: “A vinha do Senhor dos Exércitos é a casa de Israel. Deles esperava o direito, mas o que produziram foi a transgressão” (Is 5, 7). E ainda: “Eu te plantara como uma vinha excelente, toda de cepas legítimas. Como te transformaste para mim em ramos degenerados de uma vinha bastarda?” (Jr 2, 21). Israel, qual vinha de agricultor zeloso, era cuidado por Deus com todo carinho, porém os frutos eram pouco generosos. A infidelidade, a idolatria, impedia a ação de Deus na vida do seu povo.

No relato de hoje Jesus se apresenta como “videira verdadeira” (no domingo passado apresentava-se como bom Pastor). O Pai é o agricultor. Vários cuidados são empregados para que produza frutos: poda dos galhos “bons”; corte e queima dos ramos secos; permanecer ligado ao tronco; produzir frutos.

O essencial deste relato é o “permanecer”. Este verbo aparece oito vezes nestes poucos versículos. Percebemos aí a importância da ligação com Jesus. Sem uma vida de encontro profundo com Cristo ressuscitado que faça com que a vida de Cristo corra em nossas veias, não haverá produção abundante de frutos. Galho seco agarrado ao tronco não serve para nada. Rama de uva cheia de folhas, mas sem nenhuma uva, não serve para nada. As palavras do Mestre devem “permanecer” em nós. Vida de oração é manter-se “plugado” a Jesus na busca permanente da vontade do Pai. É vida de permanente comunhão e intimidade com Deus.

As palavras de Jesus: “Sem mim nada podeis fazer”, nos remete a uma realidade que vivemos hoje de desconhecimento da pessoa de Jesus e do desejo prometéico incutido no coração e na mente humana de autossuficiência e de autorreferencialidade. O ser humano caminha para o caos levado pelo desejo da absoluta autonomia e independência. Julga-se o senhor de tudo e de todos. Prescinde cada vez mais da experiência de fé e de fraternidade. As crises morais, existenciais, hídricas (sic!), étnicas, culturais, econômicas que vivemos estão profundamente vinculadas à autossuficiência humana. Sem a referência a Jesus e aos valores vividos e ensinados por ele, não é possível uma transformação social que perdure.

Ainda mais. O tronco é Jesus. Nós somos os ramos. Ninguém pode ter a petulância de se colocar como tronco: dono da verdade, dono do poder, dono das pessoas, dono do dinheiro, dona das decisões, dono da comunidade. O ensinamento de Jesus quer incutir em nós a igualdade na comunidade. Todos somos ramos. Cuidado com o poder (da hierarquia e da política, do mercado e do dinheiro) que por vezes seca os ramos ou se enche de folhagem inútil! É preciso levar os ramos a se ligarem profundamente ao Tronco para que produzam frutos.

Sem cultivo da intimidade com Jesus Cristo, colocando-o como centro de nossa vida e de nossas decisões, corremos o risco de reduzir nossa fé a um folclore, a um ritualismo vazio, a uma relação comercial com uma realidade sagrada que denominamos Deus. Então nos tornaremos galho seco ou ramo enfeitado, mas vazio daquilo que é essencial: frutos, uva doce, atitude que dê sabor à vida dos outros. Enganamos os outros, exploramos sem escrúpulo, azedamos a vida daqueles que nos circundam e machucamos aqueles que nos buscam.

Os frutos que devem ser produzidos são claros: crer em Jesus e amar uns aos outros (cf. 1Jo 3, 23). É o resultado do permanecer em Deus que, consequentemente, produz frutos.

As podas que o Pai faz são integrantes do processo de cultivo e produção. Elas ajudam a produzir. Por isso precisamos estar abertos a outras possibilidades: abertura ao novo, diálogo, correção fraterna, abrir mão das próprias idéias, conviver com diferenças, ser mais tolerante, superar preconceito de raça, religião, condição social ou orientação sexual. As podas não são necessariamente provação vazia, perseguição inócua; elas são graça de Deus para produzirmos frutos. É deixar o Pai arrancar de nós aqueles excessos que nos impedem de ser melhores.

Pai, ajuda-nos a reconhecer nossa pequenez, nossos excessos, nossa infidelidade. Faze com que tua vida penetre cada vez mais em nós para que não sejamos ramos secos, desligados de ti e dos irmãos, nem ramagem formosa, mas improdutiva. Enche-nos de teu amor e de tua vida. Amém.

Pe. Aureliano de Moura Lima, SDN